EUA: nova praga na soja faz pesquisadores correrem contra o tempo

A larva do inseto perfura as hastes da soja ou do millheto e provoca o enfraquecimento e morte da planta.

Larvas se alimentam do caule das plantas e passam da cor branca para laranja – - Foto: Universidade de Minnesota

Autoridades agrícolas e pesquisadores norte-americanos trabalham contra o relógio para identificar a nova praga que está ameaçando as lavouras de soja na América do Norte. O chamado mosquito laranja (ou galhador da soja) teve sua incidência detectada no ano passado em 66 municípios de Iowa, Nebraska, Minnesota e Dakota do Sul. A larva do inseto perfura as hastes da soja ou do millheto e provoca o enfraquecimento e morte da planta.

No segundo semestre do ano passado, cientistas conseguiram criar insetos adultos a partir de larvas colhidas em campo e chegaram à conclusão de que se trata de uma espécie nova. O resultado veio depois de análises morfológicas e exames de DNA. Morfologicamente eles classificaram o inseto como sendo do gênero Resseliella, que abrange 55 espécies em todo o mundo, 15 das quais existentes nos Estados Unidos – nenhuma delas ocorrendo em soja.

O esforço agora é para definir qual o melhor manejo e produtos a serem usados contra a praga (os testes estão abrangendo principalmente piretróides). Segundo observações em campo, aos maiores prejuízos ocorrem nas bordas das plantações (80% a 100% de perdas), diminuindo a intensidade conforme se avança para o centro. Entre os desafios para 2019 está descobrir se a praga apareceu por causa de fatores ambientais ou se veio para ficar.

Inicialmente, os cientistas apostam que ela deva passar o inverno (que ocorre nesta época no hemisfério norte).  Eles acreditam, por exemplo, que as larvas caiam das plantas e passem a fase de pupa no solo, com os insetos emergindo na volta do calor.

Inseto é parecido com outras dezenas de variedades de mosquitos – Foto: Universidade de Nebraska