Uribe e Dourado marcam de novo, Abel aprova Gabigol pelos lados e levanta questão no ataque do Flamengo

Após 2018 discreto, Uribe e Dourado começam o ano com gols

- Foto: André Durão / GloboEsporte.com

Gabigol nunca foi um centroavante de área, aquele camisa 9 clássico. Com status de artilheiro do Brasileiro, recebeu o número 9 ao desembarcar no Flamengo. A ideia, ao menos no imaginário de boa parte da torcida, era que ele assumisse a função, carente desde a saída de Guerrero. Alguns testes depois, no entanto, ainda não fica claro em que posição ele irá jogar.

A questão não é nova e já foi analisada por treinadores e jornalistas que acompanharam Gabriel no Santos. O próprio Abel Braga nunca o enxergou como homem de referência, apesar de ter ideia de usá-lo desta forma, até pelas muitas opções do elenco. As primeiras atuações com a camisa rubro-negra, porém, reforçam o dilema. Pelos lados foi onde o treinador mais gostou de ver Gabigol. Foi assim no segundo tempo da vitória sobre o Boavista.

- Coloquei o Gabriel em uma posição que ele gosta. Não tivemos profundidade no primeiro tempo. Depois que ele abriu, gostei mais pelo lado. Se me perguntar como eu gosto, gosto mais de caras abertos pelo lado. Se você for ver, os atacantes sempre foram artilheiros com caras agudos pelo lado. Foi uma grande satisfação vê-lo ajudar, voltar, e uma hora ele morre. Estamos o deixando jogar para pegar ritmo – analisou o treinador.

Gabriel é um atacante de mobilidade, com faro de gols. Pode atuar em qualquer função no ataque. Contra o Botafogo, por exemplo, entrou no lugar de Uribe e fez o papel de homem de referência. Diante do Boavista, ao lado de Dourado, teve mais liberdade. Após a saída de VItinho, caiu pela direita. E agradou.

Aumenta a concorrência no ataque

Outro fator que pode pesar e levar Gabriel a ser mais escalado pelo lado de campo é a concorrência. Em baixa na temporada passada, os centroavantes do elenco do Flamengo começaram bem 2019. Artilheiro e melhor jogador do torneio da Flórida, Uribe voltou a marcar contra o Boavista. Já são três gols do colombiano, que tem a admiração de Abel Braga.

Henrique Dourado é outro que parece estar ganhando nova vida. Terminou o ano em baixa, mas tem aproveitado as oportunidades. Marcou contra o Resende - um golaço de bicicleta - e repetiu a dose diante do Boavista. Ganhou pontos com Abel, treinador que o comandou em seu melhor momento, quando foi artilheiro do brasileiro pelo Fluminense, em 2017.

- Nossas características são diferentes. O Gabriel gosta de sair um pouco mais da área. É uma dor de cabeça boa para o treinador. Quem tem entrado tem dado conta. Todos estão aproveitando da melhor maneira. Estamos trilhando um caminho para um ano de muito sucesso. O Abel vai ter que se virar para ver o que é melhor para o Flamengo – brincou Dourado. 

No domingo, diante da Cabofriense, é provável que Abel Braga dê novas pistas de como pretende montar o ataque rubro-negro. O treinador já avisou que pretende encerrar os testes e definir uma equipe principal em breve.

- Agora, acabou. Domingo, vai outra equipe e depois é isso. Eles estão confundindo minha cabeça e isso que quero, quero problema.