Com Willian e argentino no radar, PSG corre para preencher lacuna após lesão de Neymar

Sem camisa 10 até abril, clube parisiense tenta trazer reforço para o ataque às pressas, no último dia da janela europeia.

- Foto: Getty Images

A fratura no quinto metatarso direito de Neymar está levando o PSG ao mercado no último dia da janela de transferências na Europa. Um dia depois de anunciar que o camisa 10 passará por tratamento conservador e só deve voltar aos gramados em abril, o clube francês decidiu, segundo a imprensa local, buscar um reforço para o ataque pensando na lacuna deixada pelo brasileiro. Estariam no radar Willian, do Chelsea, e Luciano Acosta, do DC United.

 
 

O primeiro rumor a ganhar força neste dia de fechamento de mercado foi de que o PSG pretendia trazer Willian. O canal inglês "Sky Sports" apontou que os parisienses fizeram uma proposta pelo brasileiro de 30 anos, que chegaria para dar mais opções no duelo mais importante da temporada até o momento: o confronto das oitavas de final da Liga dos Campeões, contra o Manchester United.

Um fator que pesaria contra a negociação por Willian seria justamente o pouco tempo para o desenrolar da operação, uma vez que o interesse surgiu apenas no último dia. O Chelsea, a princípio, não veria com bons olhos a saída de um jogador que vê como importante.

Apesar da dificuldade de trazer Willian, o PSG não pretende fechar a janela sem um novo reforço. E o conceituado jornal norte-americano "Washington Post" indica que a contratação viria da MLS, mais precisamente do DC United: o meia Luciano Acosta, de 24 anos. A publicação diz que Acosta já viajou para a Europa para finalizar a transferência.

O baixinho de 1,60m, ex-jogador do Estudiantes, foi um dos destaques da última temporada da principal liga dos Estados Unidos, com 17 assistências e 10 gols. Por isso, o PSG teria oferecido cerca de € 9 milhões para contar com o argentino, que é agenciado pelo mesmo empresário de Leandro Paredes - contratado pelo clube francês na última semana.