Com passagem pela base da seleção suíça, goleira Natasha Honegger escolhe vestir a camisa do Brasil

Jogadora, que tem pai suíço e mãe brasileira, chegou a ser titular no Europeu Sub-19 de 2016.

O destino está decidido por Natasha Honegger. Filha de pai suíço e mãe brasileira, a goleira, desejada pela seleção suíça e titular no Europeu Sub-19 de 2016, optou por defender o Brasil como sua camisa de agora em diante. A atleta esteve recentemente em um período de treinos com o grupo comandado por Vadão na Granja Comary, em Teresópolis. O tempo foi suficiente para que ela optasse por trilhar o caminho com a amarelinha.

- Uma decisão difícil para mim. Nasci e cresci aqui na Suíça e sou grata a tudo pelo que o país me deu dentro e fora de campo. Foi difícil escolher até também pelas minhas companheiras de seleção suíça , mas meu sonho sempre foi jogar pela seleção do Brasil e agora como tenho oportunidade vou pegar essa chance e jogar pelo Brasil - afirmou Natascha Honegger ao blog Dona do Campinho.

Nos trabalhos que fez na Granja Comary, a jogadora conversou com o técnico Vadão. Ela comentou ter recebido o apoio do treinador, que afirmou que a decisão da escolha partiria dela.

- No último dia, ele falou comigo e falou pra mim que a decisão seria minha e disse que ele me achou gente boa e que tenho potencial para ter futuro no Brasil - afirmou a goleira.

Sobre a família, Natascha destacou a felicidade da mãe pela escolha pelo Brasil: - Minha mãe ficou muito feliz. Também gostaria de agradecer a minha família porque me deram tudo de bom e também à Suíça por ter aceitado a decisão.

Vadão comentou sobre o período que Natasha passou com o grupo brasileiro em Teresópolis. O treinador salientou a importância dela ser jovem e ter um biotipo bom para a posição de goleira. Ele ainda declarou que a atleta terá sim continuidade na Seleção.

- Ela me comunicou isso e achei muito legal. Deixamos ela à vontade porque ela tem uma vida estabilizada na Suíça e seria injusto pressionar. Conversar com pai e mãe e se optasse pela Suíça iriamos entender. Escolher pelo Brasil nos deixou muito felizes. Tem grandes chances de oportunidades na Seleção. Não prometi nada, mas ao mesmo tempo disse que ela terá chances sim na Seleção. Não digo que vai ser agora porque estamos em cima do Mundial, mas ela vai ter continuidade sim - comentou Vadão ao blog Dona do Campinho.

Em entrevista recente ao blog Dona do Campinho, Natasha comentou sobre seu começo no futebol. O apoio inicial foi dado por seu pai logo cedo com somente quatro anos. Logo depois, começou a praticar o esporte na cidade de Greifensee, na Suíça, onde nasceu e viveu toda sua vida. A jogadora tem 21 anos e 1,79m e escolheu ser goleira com 14 para 15 anos, quando atuava pelo Zurich - antes era atacante -, e desde então vem crescendo na posição. Logo depois, passou a figurar nas convocações da seleção suíça sub-19. Atualmente, ela é titular no time suíço da primeira divisão FC Luzern, onde está há dois anos.