Presidente da Agehab admite que Governo não tem recursos para novos conjuntos habitacionais em Sidrolândia

Segundo a presidente Maria do Carmo, não há nenhuma perspectiva de obtenção de recursos do Minha Casa, Minha Vida.

Presidente da Agehab (Agência Estadual de Habitação), Maria do Carmo Avezani - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Transcorridos quase cinco anos da inauguração das 91 casas do Altos da Figueira, o Governo do Estado não tem nenhum projeto cadastrado no Governo Federal para a construção de um novo conjunto para atender a população de baixa renda.

Segundo a presidente da Agehab (Agência Estadual de Habitação), Maria do Carmo Avezani, que esteve nesta quinta-feira (14) em Sidrolândia, neste ano não há nenhuma perspectiva de obtenção de recursos do Programa Minha Casa, Minha Vida, para quem ganha até dois salários mínimos.

Em princípio só é viável a curto prazo novos lotes urbanizados, nos moldes dos 36 construídos no Sidrolar e mais 15 em fase de implantação na mesma região. De acordo com Maria do Carmo, a oferta de novos lotes depende de a Prefeitura oferecer mais áreas.

O prefeito Marcelo Ascoli, presente na solenidade de assinatura dos contratos com as 36 famílias beneficiadas com os primeiros lotes urbanizados do Sidrolar, também admite a dificuldade de viabilizar mais casas populares para reduzir um déficit habitacional de pelo menos 3 mil casas.

Marcelo aposta na parceria com a Engepar para construção de 41 casas e 212 apartamentos numa área de 6 hectares no Diva Nantes, doada pelo Prefeitura para a empreiteira (habilitada numa licitação) que está captando um financiamento na Caixa Econômica Federal