Prefeito apoia CPI do transporte que será proposta na terça-feira

O prefeito se declarou favorável à CPI, que deve ser proposta pelo vereador Cledinaldo Cotócio na sessão da Câmara desta terça-feira.

Prefeito Marcelo Ascoli se declara favorável à criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito - Foto: Vanderi Tomé/Região News

O prefeito de Sidrolândia Marcelo Ascoli se declara favorável à criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para a Câmara Municipal Investigar os gastos com transporte escolar que representam quase 7% das despesas do município com educação. Na avaliação do prefeito a CPI é uma das ferramentas que o Legislativo tem de fiscalizar a aplicação do recurso público. “Da nossa parte vamos fornecer a documentação que os vereadores eventualmente venham solicitar no curso do trabalho da CPI”, garante o prefeito.

O prefeito se declarou favorável à CPI, que deve ser proposta pelo vereador Cledinaldo Cotócio na sessão da Câmara desta terça-feira, ao lado do vice-prefeito, Wellison Muchiutti, enteado de um dos empresários que é um dos alvos de uma possível CPI. “Eu e o vice-prefeito, não nos opomos a qualquer tipo de esclarecimento que os vereadores venham nos solicitar”.

O vereador Cledinaldo diz que pretende fazer uma varredura nos pagamentos feitos para as 16 empresas que exploram linhas do transporte escolar. Ele ficou especialmente impressionado com o faturamento mensal de R$ 30 mil obtido pela empresa de familiares do vice-prefeito com uma Kombi que transporta alunos do Assentamento Capão Bonito.

Ao custo R$ 6,49 o quilômetro, o veículo estaria percorrendo 220 km, trajeto que o vereador achou exagerado. Ele pretende, junto com os demais membros da futura CPI, percorrer esses e outros itinerários para medir os trajetos.

Os custos do transporte neste ano vão aumentar em R$ 585 mil, passando de R$ 8,401 milhões para quase R$ 9 milhões, exatos, R$ 8,989 milhões ao longo de 2019.