Com 7 assinaturas, vereador protocola CPI para investigar gastos com transporte escolar

Neste ano, o transporte vai custar aos cofres públicos quase R$ 9 milhões, um aumento de R$ 585 mil sobre o valor orçado.

Vereador Cledinaldo Cotócio protocolou ontem na presidência da Câmara de Sidrolândia, requerimento com sete assinaturas - Foto: Vanderi Tomé/Região News

O vereador Cledinaldo Cotócio protocolou ontem na presidência da Câmara de Sidrolândia, requerimento com sete assinaturas, em que propõe a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar supostas irregularidades no pagamento da Prefeitura com o transporte escolar. Neste ano, o transporte vai custar aos cofres públicos quase R$ 9 milhões, um aumento de R$ 585 mil sobre o valor orçado ano passado.

O requerimento foi encaminhado à Procuradoria da Câmara que vai dar a formatação jurídica do requerimento já que a CPI precisa ter de um fato determinado de investigação. O objeto da investigação será determinadas linhas onde o proponente (Cledinaldo), identificou pagamentos que ele julgou exagerados.

“De qualquer forma o vereador, como tem mais que o número mínimo de assinaturas necessárias (5), pode propor ao plenário na sessão desta terça-feira a instalação da CPI, que precisa de oito votos favoráveis”, explica o presidente Carlos Henrique.

Esse oitavo voto é do vereador Kennedi Forgiarini, que foi procurado por Cledinaldo e deve votar favorável a instalação da CPI. “O vereador ao propor uma CPI está exercendo sua prerrogativa de fiscalizar a aplicação do dinheiro público”.

Além do próprio Cledinaldo, assinaram na Câmara o requerimento os vereadores Itamar de Souza, Celso Pereira, Geosafá da Silva, Waldemar Acosta, Vilma Felini e Valdecir Carnevalli.