Pesca volta amanhã nos rios de MS, já com “meia cota” valendo

Polícia Ambiental inicia "Operação Carnaval" de olho nos novos critérios da legislação pesqueira.

Piracema chega ao fim neste fim de semana, com abertura dos rios coincidindo com o Carnaval. - (Foto: PMA/Divulgação)

O último dia de fevereiro de 2019 já promete ter alguma movimentação rumo aos rios de Mato Grosso do Sul. Isso porque, à 0h desta sexta (1º de março), termina a Piracema e os rios serão reabertos para pescadores em todo o Estado.

O fim do período de defeso, neste ano, coincide com o Carnaval, o que gera promessa de maior fluxo de pescadores amadores. Porém, eles devem estar atentos para mudanças nas regras neste ano, quando a cota de pescado cairá pela metade e mais espécies têm tamanhos a serem respeitados.

Decreto baixado pelo governo estadual prevendo a cota zero para a pesca amadora e desportiva a partir de 2020 também estabeleceu que, em 2019, cada pescador poderá retirar dos rios um máximo de cinco quilos de pescado (contra 10 quilos até 2018), além de um exemplar e até cinco piranhas.

A PMA (Polícia Militar Ambiental), na operação Carnaval a ser deflagrada junto com a reabertura dos rios, promete estar atenta aos novos critérios.

“Na prática, diminuiu cinco quilos do que estava autorizado antes e mexeu na medida dos exemplares. Os pescadores devem buscar essas informações antes de irem para os rios”, afirmou o tenente coronel Edmilson Queiroz, da PMA.

Ele lembra que, em quatro casos, foram estabelecidos tamanho mínimo a máximo para os peixes –a medida maior é uma novidade implementada neste ano, sendo que, nos dois casos, considera-se que os espécimes já procriaram no mínimo duas vezes ou têm atuação decisiva no repovoamento dos rios.

“O jaú, por exemplo, não pode ter menos de 95 centímetros ou mais de 120. A cachara, que tinha tamanho mínimo de 80, agora não pode medir menos de 83 centímetros e o máximo de 113 centímetros. O pintado teve o tamanho mínimo elevado de 85 para 90 centímetros e não pode ter mais de 115. E o pacu teve mantida a medida mínima de 45 centímetros, mas não pode medir mais de 57 centímetros”, explicou.

O tamanho mínimo para algumas espécies é exigência antiga em Mato Grosso do Sul, tendo a última atualização em 2016. Agora, com o novo decreto regulando os recursos pesqueiros do Estado, elevou-se de 9 para 21 o total de espécies com restrição. Vale lembrar que uma lei estadual, em vigor desde o início do ano, proíbe a pesca de dourado.