Prefeitura gastou R$ 8,6 milhões com transporte escolar e empresa da família do vice-prefeito faturou R$ 1 milhão

Deste total, já foram pagos R$ 7.501.149,08, restando ainda pendentes R$ 1.163.197,39.

Prefeitura gastou R$ 8,6 milhões com transporte escolar - Foto: Marcos Tomé/Região News

A Prefeitura de Sidrolândia gastou ano passado mais de R$ 8,6 milhões (exatos R$ 8.644.346,47) com o transporte de 2.534 alunos que moram na zona rural, 700 deles vem estudar em escolas da área urbana. Deste total, já foram pagos R$ 7.501.149,08, restando ainda pendentes R$ 1.163.197,39. Até o mês passado as 17 empresas que exploram as linhas terceirizadas ainda não tinham recebido os últimos dois meses do ano letivo.

A empresa de familiares do vice-prefeito Wellison Muchiutti, Amandino de Oliveira Terra, que será um dos focos das investigações da CPI criada pela Câmara, fechou o ano passado com faturamento total de R$ 1.052.841,55, mas só recebeu R$ 865.041,67, tem ainda pendente, como parte dos restos a pagar do exercício passado, R$ 196.799,88. Em 2017, R$ 823.942,50.

Conforme os dados do portal da transparência da Prefeitura, ano passado os gastos aumentaram 5,26%, o que correspondeu a R$ 459.458,47, 5,26%. Em 2017 o transporte escolar custou R$ 8.264.143,31.

Nem toda a despesa do serviço é bancada pela Prefeitura, que recebeu do Governo Estadual R$ 1,650 milhão, para custear o transporte dos alunos das escolas estaduais. Neste orçamento do transporte escolar, inclui também as despesas com as 26 linhas que são feitas por ônibus da frota própria da Secretaria Municipal de Educação.