Sem material, empreiteira deve parar obras no Porfiria

Hoje, quinta-feira, trabalhadores da Sadi Construtora ainda estão trabalhando no acabamento de parte das calçadas.

Sem material, empreiteira deve parar amanhã obras no Porfiria - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Retomadas há menos de 30 dias, as obras de reforma da Escola Municipal Porfiria Lopes do Nascimento devem ser interrompidas nesta sexta-feira por falta de material. Nesta quinta-feira, trabalhadores da Sadi Construtora ainda estão trabalhando no acabamento de parte das calçadas, mas amanhã não terão o que fazer porque a Prefeitura não providenciou a compra de material.

Boa parte dos alunos está em salas sem ventilador. A pintura também não está completa. Quando precisam ir ao banheiro são obrigados a sair da escola e utilizar os banheiros do prédio onde funcionava a creche do São Bento, que fica no mesmo terreno da escola.

Os 12 banheiros da Escola Porfiria Lopes do Nascimento não podem ser usados porque a empreiteira não recebeu vasos sanitários e material elétrico para que ficassem em condições de utilização. Até agora só receberam os pisos.

Também não foram adquiridas as telhas de zinco para cobertura do corredor interno e das outras sete salas de aula. Sem o telhado não é possível colocar o piso e o forro em PVC, além das instalações elétricas.

A reforma no Porfiria, que tem a mão de obra bancada por uma imobiliária (ficando a prefeitura responsável pelo material) começou em maio do ano passado. As aulas foram antecipadas para que o ano letivo de 2018 terminasse no final de outubro.

Houve a troca da empreiteira e o serviço ficou interrompido até dezembro. Com isto não foi possível terminar a reforma para que a escola estivesse pronta para receber os alunos no último dia de 18 fevereiro quando as aulas começaram.

Foi necessária uma força tarefa, com mutirão de serviço até a noite e finais de semana, para deixar 9 salas em condições de uso. Parte dos alunos está estudando na antiga creche.