Na Escola Porfiria, além de reforma parada, focos de dengue e entulho deixado no pátio

Das 9 salas preparadas para receber os alunos, só 4 estão com ventiladores e nenhum dos banheiros ficou pronto.

Larvas do mosquito transmissor da dengue foram observadas nos espaços das colunas que servem de recipiente. - Foto: Vanderi Tomé/Região News

A reforma da Escola Municipal da Porfiria Lopes do Nascimento, conforme o Região News antecipou na sexta-feira, de fato parou novamente, por falta de material. Nesta segunda-feira a reportagem só encontrou no canteiro de obras um funcionário da Sadi Construtora, basicamente para cuidar das ferramentas.

A empresa assumiu a obra no último 17 de dezembro e até agora, quase 90 dias depois, o serviço pouco avançou. Das 9 salas de aula preparadas para receber os alunos, só quatro estão com ventiladores e nenhum dos banheiros ficou pronto. Não chegaram os vasos sanitários.

Se faltavam operários trabalhando, no pátio da escola o que não falta são entulhos da construção, inclusive o que restou das colunas de sustentação da antiga estrutura demolida para construção de novas salas na parte administrativa. Larvas do mosquito transmissor da dengue foram observadas nos espaços das colunas que servem de recipiente e com isto se acumula água da chuva. A própria Prefeitura, ao negligenciar a limpeza do local, pode estar contribuindo para aumentar ainda mais as estatísticas de notificações de dengue.

No espaço, que fica separado da área de circulação dos alunos, também há vitrôs que foram retirados das paredes demolidas, os antigos ventiladores estão amontoados e alguns instrumentos da fanfarra da escola, foram deixados num armário próximo a ala ainda sem cobertura.

Vários ofícios foram enviados à Secretaria de Educação para que fosse providenciada a remoção de todo o lixo gerado pela obra. A antiga construtora chegou a ser notificada pelo próprio fiscal de postura da Prefeitura por não ter contratado uma caçamba para recolher os entulhos.