Mulheres são mortas com requinte de crueldade

Em menos de três meses já são oito casos de feminicídio no Estado.

O corpo da professora Nádia foi velado e sepultado em Campo Grande - - Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado

Em menos de três meses, oito mulheres foram assassinadas em Mato Grosso do Sul, vítimas de feminicídio. Somente em Campo Grande, no mesmo período, são dois casos. O que tem chamado a atenção da polícia é o requinte de crueldade com que esses crimes foram cometidos. Menos de  24 horas após uma professora ter sido morta em Corumbá, com 36 facadas, em Caarapó uma outra mulher morreu após o marido ter passado duas vezes com as rodas do carro sobre ela. 

Segundo dados da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), durante todo o ano passado aconteceram em Mato Grosso do Sul 32 casos de feminicídio. Em Campo Grande, conforme estatística, nos 12 meses foram registrados sete episódios.

ATROPELAMENTO

Em Caarapó, na noite de domingo, Ivanete Sampaio Tanan, 37, morreu após ser atropelada pelo marido,Thiago Belatorres, 29. O crime ocorreu depois de uma festa de aniversário da sobrinha de Thiago, realizada em uma chácara da região. Eles passaram o dia na festa e à noite foram de carro levar presentes para a casa da tia dele.