Justiça coloca Jova em liberdade e decreta preventiva do suposto comparsa que levava 175,6 kg de maconha

Vanderson teve a prisão preventiva decretada, enquanto Jova ganhou o direito de responder ao processo em liberdade.

Parati estava carregado com 175,60 quilos de maconha - Foto: Divulgação/PM

O juiz criminal da Comarca de Sidrolândia, após audiência de custódia realizada ontem à tarde, determinou a soltura (com algumas medidas cautelares) de Jova Antunes Machado, que na última segunda-feira foi preso na saída para Maracaju, acusado de atuar como batedor de Vanderson Lopes Fernandes, que transportava 175,60 quilos de maconha num veículo Parati. 

Vanderson teve a prisão preventiva decretada, enquanto Jova, ex-sindicalista e que em 2016 disputou uma vaga na Câmara Municipal, ganhou o direito de responder ao processo em liberdade, porque não tem antecedentes criminais e tem residência fixa na cidade. Não poderá se ausentar de Sidrolândia sem autorização do juiz, permanecer em casa após às 18 horas. O veículo que dirigia, também passará a ter restrições de circulação fora da cidade.

A defesa de Jova tentou livra-lo da acusação com o argumento de que Vanderson na delegacia, não confirmou o que havia dito aos policiais militares que o prenderam na rodovia, indicando o motorista do Fox Preto (no caso o ex-candidato) como batedor encarregado de avisá-lo da aproximação de viaturas policiais na rodovia.

Relembre: Ex-candidato a vereador é flagrado na MS-162 como batedor de 175,60 kg de maconha