Sem recursos para ampliar estrutura, prioridade da Agraer é escriturar lotes de assentamentos do Estado

São 42 famílias que a partir da regularização, passarão a condição de proprietários.

- Foto: Vanderi Tomé/Região News

A Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural) está empenhada em escriturar os dois assentamentos que o Governo do Estado implantou em Sidrolândia (Terra Solidária e São Francisco) que nem tinham sido individualizados, ou seja, não havia uma matrícula de identificação do imóvel. São 42 famílias que a partir da regularização, passarão a condição de proprietários, podendo, por exemplo, oferecer a terra em garantia para financiar a compra de implementar agrícolas.

Na manhã desta terça-feira passou por Sidrolândia o presidente da Agraer, André Nogueira e o diretor de regularização Fundiária, Jader Bocato, que se reuniram com o presidente da Câmara, Carlos Henrique e o vereador Edno Ribas. André descartou a possibilidade de ampliar a estrutura de técnicos do escritório local da agência que atua na assistência técnica ao pequeno produtor. “Neste ano, como o Estado atingiu o limite de gastos com pessoal, não há possibilidade de ampliar o quadro (via concurso). Vamos atuar em parceria com o Incra na regularização dos assentamentos”, explica.

De acordo com Jader Bocato a determinação do govenador é regularizar todos os 10 assentamentos que pertencem ao Estado. Depois de feita a individualização dos lotes, montada a documentação, será encaminhado à Assembleia Legislativa o projeto que autoriza a doação das áreas para os beneficiários. Em Sidrolândia são 35 famílias no Terra Solidária (às margens da BR-060, na saída para Campo Grande) e 7 no São Francisco, quase na divisa com Maracaju.