Victor Ferraz afirma que Santos quer vencer Red Bull sem receber salários

De acordo com o lateral, a vontade é de vencer o Red Bull pelas quartas de final do Paulistão.

Peixe quer vencer para mostrar que salários não afetam dia a dia no clube, afirmou o lateral - (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Os salários atrasados não são um problema para o elenco do Santos. Quem garantiu isso, ao menos, foi o capitão Victor Ferraz, em entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira no CT Rei Pelé. De acordo com o lateral, a vontade é de vencer o Red Bull pelas quartas de final do Paulistão para provar que a situação não representa um empecilho para os comandados de Jorge Sampaoli.

Campineiros e santistas duelam neste sábado, no Pacaembu, às 19h30 (horário de Brasília), pelo início da fase mata-mata do Estadual – o RB garantiu a primeira classificação geral, enquanto o Santos foi goleado pelo Botafogo-SP. Para Ferraz, o ruim momento recente do Peixe na disputa nada tem a ver com a questão financeira.

“Responderei como capitão. Influência zero. Não tem nenhum tipo de influência. Claro que queremos receber, mas tenho certeza que vai chegar em nossa mão. A diretoria tem corrido atrás, tem tido um cuidado com a gente. O Gabriel (Andreata) tem falado conosco. A responsabilidade das últimas derrotas era nossa. Veio calhar, com uma coincidência horrível, essa questão do salário. E vem a questão da rede social, muita gente comentando. Eu quero que a diretoria não pague até amanhã (sábado) para podermos vencer sem receber os salários”, afirmou o lateral, antes de completar.

“Eu não sou mercenário. Eu conheço a maioria ali, se atrasar 15, 20 dias para nós… Falo como desabafo, 15 dias para gente, sério… não vai fazer com que a gente jogue mal, poxa. Perdemos de 4 a 0 para o Botafogo-SP e merecemos crítica. Claro que há o mérito do Rafael (Costa) que fez três gols. Fomos cobrados pela diretoria, nosso treinador. Não vamos deixar isso repetir novamente”, finalizou.

Ferraz também rechaçou um sentimento de “elenco mordido” dentro do grupo santista, ressaltando a vontade do clube da Baixada Santista de vencer o Campeonato Paulista.

“Questão salarial não mexe com o brio do elenco, de maneira alguma. É a vontade de levantar a taça, de vencer, de fazer gol e de não perder. Além de honrar sempre a camisa. Questão salarial é zero”, completou.