Com estiagem, Prefeitura patrola acesso ao frigorífico e pontos críticos do São Bento

Inicialmente o serviço abrangeu as ruas Dr. Costa Marques, Oscar Pereira de Brito e Prudente de Moraes.

Com estiagem, Prefeitura patrola acesso ao frigorífico e pontos críticos do São Bento - Foto: Reprodução/Facebook

Equipes da Secretaria Municipal de Infraestrutura aproveitaram a trégua na chuva e ainda no sábado começaram pelo acesso ao Frigorífico Balbinos, o patrolamento de trechos mais críticos das vias não pavimentadas. Inicialmente abrangeu as ruas Dr. Costa Marques, Oscar Pereira de Brito e Prudente de Moraes, que desde novembro (quando a Artec Engenharia, iniciou a expansão da rede de esgoto) tem vários trechos intransitáveis porque a empreiteira abriu valeta, removeu o cascalho, gerando atoleiro. A promessa é que nesta segunda-feira, o trabalho seja estendido ao Bairro Pindorama e ao Residencial Diva Nantes.

O patrolamento é uma ação provisória já que o ideal seria o cascalhamento e a passagem do rolo compactador. No momento a Prefeitura não tem um fornecedor de cascalho, que custa entre R$ 80,00 e R$ 100,00 por caminhão. No sábado, o serviço foi interrompido porque a patrola (a única disponível para atuar na área urbana) apresentou problemas mecânicos.

O prefeito diz que espera o apoio da Artec Engenharia para recuperar outras ruas da cidade onde a implantação de rede de esgoto trouxe prejuízo a manutenção das ruas (inclusive as pavimentadas). “Já notificamos a empresa mais de uma vez, mas não podemos correr o risco de perder o investimento de R$ 15 milhões, parando a obra judicialmente”.

“Os transtornos são inevitáveis no andamento das obras, pois há a perfuração do solo. Em ruas pavimentadas é feito o corte no asfalto, e onde não existe asfalto, a terra é mexida e o cascalho movido. Como consequência, poeira em tempo firme, ou lama e atoleiro em períodos chuvosos”. O prefeito acha compreensível as queixas da população, mas não é possível fazer nada enquanto estiver chovendo.

“Não tem como irmos com uma patrola e mexer lá não vai resolver, jogar pedra no meio da lama, não vai resolver. Cessando a chuvarada, nós estamos em conversa com a Sanesul, com a Artec, verificar o que eles vão fazer, porque as ruas estavam cascalhadas e viraram lama”, afirma.