Delegada alerta: ‘brincadeira de mau gosto’, com ameaça de atentado a escola pode levar adolescentes para UNEIS

Na última segunda-feira dois adolescentes foram flagrados quando ameaçavam provocar incêndio na Escola Valério.

Delegada-adjunta da Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (DEAIJ), Fernanda Felix - Foto: Reprodução/Polícia

Desde o ataque ocorrido em uma escola na cidade de Suzano (SP), a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), por meio de suas instituições policiais, tem atendido diversas ocorrências que insinuam a realização de ações parecidas em instituições de ensino de Mato Grosso do Sul.

Na última segunda-feira dois adolescentes foram flagrados quando ameaçavam provocar incêndio na Escola Valério Carlos da Costa. A atitude foi interpretada pela Polícia Civil local como “brincadeira de mau gosto”, adolescentes foram ouvidos e liberados.

A delegada-adjunta da Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (DEAIJ), Fernanda Felix, alerta aos adolescentes que cometerem este tipo de ameaça generalizada, que pode se equiparar ao ato infracional de ameaça, apologia e instigação ao crime, além de poder caracterizar outro tipo penal mais grave.

“Mesmo que pareça uma brincadeira inocente entre adolescentes, a situação pode ser entendida como um ato infracional, e caso haja entendimento do judiciário, eles poderão ser encaminhados para uma Unidade Educacional de Internação (Unei)”, enfatiza a delegada.

Um dos casos concretos registrados pela Polícia Civil, ocorreu na semana passada no Bairro Tijuca, onde dois jovens ameaçaram os colegas que iriam explodir o colégio com uma bomba. Nesta ocorrência segundo Fernanda Felix, nenhum deles estavam portando qualquer tipo de artefato, mas aterrorizaram toda a escola. Neste fato os adolescentes foram apreendidos e encaminhados para uma Unei da Capital, onde estão há mais de uma semana pelo ato infracional equiparado ao crime de ameaça.

“Ao atender esse tipo de fato nós temos notado que muitos adolescentes com problemas psicológicos ao verem uma notícia tão trágica, quanto a que aconteceu em Suzano (SP), eles tentam chamar a atenção pela repetição daquele ato. Esses jovens requerem cuidados especiais dos pais e até mesmo do corpo docente”, destaca.

Um fator importante pontuado pela delegada é a realização do registro do boletim de ocorrência por parte dos diretores, professores ou responsáveis pelas escolas. “Eles têm o dever de informar imediatamente a DEAIJ ou a delegacia mais próxima sobre qualquer tipo de ato infracional que ocorra dentro de uma unidade de ensino”.

Para finalizar a delegada fez um alerta: “a família deve ficar atenta em relação ao uso dos equipamentos eletrônicos, principalmente das redes sociais, dos jogos eletrônicos, com quem esses adolescentes conversam na rede, muitas das vezes eles podem se tornar até uma vítima em potencial, como exemplo a operação Luz da Infância, e até mesmo um jovem infrator. A vigilância é 24 horas, afinal não existe privacidade para os pais. Aparelho celular ou eletrônicos de filhos os pais devem ter o livre acesso para a sua segurança”.