A partir de segunda-feira UPA só vai atender urgência e emergência para reduzir superlotação

“As pessoas (sem sintomas graves) serão orientadas a procurar o posto de saúde da região onde mora

Enfermeira Cleide Roque, gerente da UPA - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Para tentar reduzir o problema gerado pela superlotação, a partir de segunda-feira os funcionários da UPA foram orientados a encaminhar às Unidades Básicas de Saúde (UBS) pacientes que procuram a Unidade de Pronto Atendimento para uma simples consulta, substituir a receita vencida do remédio de uso controlado, submeter ao médico plantonista o exame solicitado anteriormente.

Só será atendido mesmo quem estiver com febre; vomitando, esteja com quadro de pressão alta, ou seja, qualquer sintoma que aponte para gravidade do seu estado. Será feita uma triagem pela enfermagem e quem não se enquadrar nos protocolos da urgência e emergência, terá de voltar para casa.

“As pessoas (sem sintomas graves) serão orientadas a procurar o posto de saúde da região onde mora. Se for à noite ou aos finais de semana e feriados, a recomendação continuará sendo a mesma”, comenta a enfermeira Cleide Roque, gerente da UPA.

Segundo ela, nas últimas semanas, em alguns plantões passaram pela unidade 400 pessoas, das quais, pelo menos metade poderia ser atendida nas UBSF. A consequência é a superlotação, aumentando o stress da equipe e retardando o atendimento.

Foi realizada uma reunião com a equipe da UPA e dos postos de saúde para passar as recomendações. Na área urbana são seis postos de saúde, cada um tem médico, que atende 16 pacientes agendados.