Juiz mantém júri e prisão de cunhado acusado de matar Marielly

Hugleice está preso desde o dia 22 de novembro do ano passado, no Mato Grosso, onde tentou matar a mulher Mayara Barbosa, irmã da cunhada.

Hugleice em novembro de 2018, depois de ser preso pela PRF em Dourados - Foto: Campo Grande News

O juiz Claudio Müller Pareja, da Vara Criminal de Sidrolândia, manteve a decisão que aceitou pronúncia contra Hugleice da Silva pelos crimes de aborto e ocultação de cadáver no processo pela morte da cunhada, Marielly Barbosa, em 2011. A sentença também decretou a prisão preventiva do acusado oito anos depois que a jovem de 19 anos morreu em aborto malsucedido em Sidrolândia.

A defesa de Hugleice já havia tentado a liberdade do cliente por meio de liminar, mas o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou o pedido. Ele está preso desde o dia 22 de novembro do ano passado, no Mato Grosso, onde tentou matar a mulher Mayara Barbosa, irmã de Marielly.

Já Jodimar Ximenes Gomes, o enfermeiro que fez o aborto e corréu na ação, responde o processo em liberdade.

O caso começou a tramitar na Justiça em MS em agosto de 2011 e, naquele ano, a denúncia foi acolhida nos termos do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) acusando Hugleice e o enfermeiro nos artigos 126 c/c 127 do Código Penal (provocar aborto em gestante mediante grave ameaça o violência) e 121 (destruição e ocultação de cadáver).

Só em março deste ano é que sentença de pronúncia, que confirma a denúncia e habilita o réu a ser levado a julgamento popular, saiu.

Fuga e prisão – Hugleice mudou-se para Rondonópolis com a esposa, irmã de Marielly, logo depois da grande repercussão do caso em Mato Grosso do Sul. No dia 18 de novembro de 2018, tentou matar Mayara depois de ver uma foto dela com o vizinho. Enciumado, amarrou e esfaqueou a jovem e, em seguida, fugiu com o carro da família. Ela conseguiu se soltar e pedir ajuda.

Hugleice foi preso na BR-163, em Dourados. Como o processo em MS não tinha qualquer trâmite que justificasse manutenção da prisão no estado, foi levado para prisão de Mato Grosso.

Morte em MS - Em 2011, Hugleice ficou conhecido no Estado por ter levado a cunhada Marielly para fazer um aborto, que terminou em morte. Ele confessou ter feito sexo com a jovem e que desconfiava que era o pai da criança.

Na época, ele juntamente com o enfermeiro que fez o procedimento esconderam o corpo da jovem e Hugleice ainda ajudou nas buscas pela moça considerada inicialmente desaparecida.