Para incentivar, trocar experiências e levar informação, bacharel em Direito cria ‘Chá para Mulheres’

Da simples troca de informações entre amigas, o grupo passou a realizar o chá informativo com temas atuais relacionados a mulher.

Bacharel em Direito Ana Lúcia Rodrigues teve a ideia de montar o Chá que atualmente conta com 10 organizadores - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Mulheres se unindo para dividir experiências, dificuldades e informações sobre temas como o feminicídio. Esse foi o ideal da bacharel em Direito Ana Lúcia Rodrigues, ao promover o ‘Chá para Mulheres’, iniciativa que começou com um grupo de amigas. Da simples troca de informações entre amigas, o grupo passou a realizar o chá informativo com temas atuais relacionados a mulher.

O chá começou a acontecer em março deste ano, na residência de Ana Lúcia. Na oportunidade foi abordado o tema “Soluções para as situações que enfrentamos diariamente na atual sociedade”, a palestrante foi a drª Rosimeire Farias, graduada em Letras, Pedagogia e Direito. Mestre em linguística e doutora em Educação. Além de professora em Direitos Humanos, Gestão Pública e Educação.

“Resolvi montar o chá, por sentir certa revolta, por ver tantos casos de violência contra a mulher pelo Brasil a fora", conta. Segundo a bacharel, o primeiro chá informativo atraiu outras mulheres para apoiar a ideia. “Tinha resolvido que faria algo pelas mulheres sidrolandenses, o chá de mulheres dá a oportunidade para falarmos de violência, trocar experiências. Algumas amigas se identificaram com a causa e resolveram apoiar o projeto, desde então estamos caminhando para o segundo encontro”, comenta.

O segundo encontro que deve acontecer no dia 04 de maio, irá abordar o tema “Feminicídio, Conquistas das Mulheres e Avanços Salariais” e contará com a presença da advogada Tatiane Mossine.

“O chá é um bate papo, e neste segundo serão abordados assuntos sobre o feminicídio, as conquistas das mulheres ao longo dos anos e quanto ainda precisamos avançar para que tenhamos igualdade de salários, ainda temos muito a conquistar no meio político para que possamos de fato sermos representadas por quem sabe o que é ser mãe, trabalhar fora e ser esposa, ou seja, essa tripla jornada que temos todos os dias”, explica.

A ideia é expandir os encontros para que o máximo de mulheres tenham acesso a informação. Atualmente os convites são limitados e encaminhados pelo WhatsApp. O segundo encontro será realizado no próximo dia 04, a partir das 16 horas no Sol Nascente.