Vereador sidrolandense fala no Senado e defende Funai no Ministério da Justiça

Vereador sidrolandense Otacir Figueiredo, defendeu mudnças na Medida Provisória 870/2019 durante a sessão.

Vereador sidrolandense Otacir Figueiredo falou em nome da etnia terena durante sessão - Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

Escolhido pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil para falar em nome da etnia terena durante a sessão solene do Senado Federal, em homenagem ao Dia do Índio, o vereador sidrolandense Otacir Figueiredo, defendeu mudanças na Medida Provisória 870/2019, que junto com a reorganização da estrutura administrativa do Governo Federal, transferiu a Funai para o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Gringo, como é conhecido, um dos 16 indígenas sul-mato-grossense com mandato parlamentar no Estado, defendeu que a Fundação Nacional do Índio volte a órbita administrativa do Ministério da Justiça. Ele falou também sobre o processo de demarcação de terras.

Presidente da sessão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP); representante da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), vereador de Sidrolândia (MS), Otacir Terena; representante da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), Toya Manchineri; representante da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espírito Santo (Apoinme), cacique Marcos Xukuru; conselheiro da Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica, Tuntiak Katan. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

“Transferir nossa pauta ao Ministério da Agricultura é um gigantesco retrocesso para a sociedade. É preciso que a Funai tenha autonomia de gestão, o que jamais ocorrerá naquele Ministério. É a certeza de que não haverá qualquer demarcação, não teremos qualquer direito atendido. As demarcações já se arrastam há décadas, e isso precisa acabar. O avanço do agronegócio em nossas aldeias está poluindo os rios, estão jogando veneno demais nas plantações e nosso povo está sofrendo com inúmeras doenças”. denunciou.