Após sabatina, governo espera que suplementação seja aprovada

Durante a reunião foi sugerido que ao invés de autorizar os 35% de suplementação, a Prefeitura enviasse créditos suplementares.

Secretário de Fazenda, Renato da Silva Santos, chefe da contabilidade, Vanilda Borges e procurador Luiz Palermo. - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Integrantes do primeiro escalão da administração do prefeito Marcelo Ascoli estão confiantes nas chances de aprovação do projeto que amplia de 10% para 35% a margem de remanejamento de dotação por decreto. O governo acredita que já tenha os 8 votos necessários para a proposta passar.

O secretário de Fazenda, Renato da Silva Santos, a chefe da contabilidade, Vanilda Borges, foram sabatinados na manhã desta segunda-feira pelos vereadores. Eles apresentaram o relatório que mostraram as suplementações feitas no primeiro trimestre que comprometeram os 10% autorizados na lei orçamentária. A contadora Vanilda Borges garantiu que se não for aprovada a suplementação, neste mês não haverá dotação para o pagamento dos serviços comissionados.

Durante a reunião foi sugerido que ao invés de autorizar os 35% de suplementação solicitados, a Prefeitura enviasse créditos suplementares por dotação. O inconveniente da proposta, segundo o procurador Luiz Palermo, é que seria preciso enviar 35 projetos de lei com tramitação em regime de urgência.

O vereador Waldemar Acosta se posicionou contra esta tramitação a toque de caixa. Waldemar quer o fim do impasse em torno da tramitação do projeto que está trazendo desgaste tanto para o Executivo, quando para o Legislativo.

Na reunião os representantes do Governo deixaram claro que em outubro será necessário autorização de mais suplementação porque as mudanças de dotações dentro de uma mesma Secretaria são descontadas do teto autorizado.