Carlos Henrique mobiliza vereadores para reivindicar do Governo acesso ao frigorífico

Atualmente aproximadamente 15 caminhões circulam diariamente pelo Bairro São Bento, atravessando regiões residenciais.

Vereadores Carlos Henrique, Vilma Felini e Valdecir Carnevalli e engenheiro Luiz Antônio Lemes de Oliveira - Foto: Divulgação

O presidente da Câmara de Sidrolândia, Carlos Henrique, está empenhado em mobilizar todos os vereadores para formarem uma força-tarefa suprapartidária para cobrar do Governo do Estado recursos para a abertura do acesso ao Frigorífico Balbinos. “A intenção é que todas as forças políticas se juntem para ajudar o prefeito a viabilizar esta obra”, afirma Henrique, que se reuniu hoje pela manhã com os vereadores e o engenheiro Luiz Antônio Lemes de Oliveira do Departamento de Planejamento da Prefeitura, encarregado de fazer a planilha de custo da obra.

Atualmente aproximadamente 15 caminhões circulam diariamente pelo Bairro São Bento, atravessando regiões residenciais, trazendo bois para abates e levando a carne que é comercializada no mercado paulista. Este fluxo de veículos pesados afeta o pavimento (dos trechos asfaltado), além de ser iminente o risco de acidentes, principalmente atropelamentos, inclusive de crianças, já que os caminhões passam perto de uma creche.

A abertura deste acesso de 4 km, a partir da MS-162, se torna ainda mais necessária, de acordo com Carlos Henrique, porque a indústria se prepara para colocar em funcionamento a sala de desossa, o que vai praticamente dobrar o quadro de funcionários, com a contratação de mais 300 trabalhadores. “Queremos que cada vereador acione o deputado com quem tenha proximidade política, para que o parlamentar compre essa luta que interessa a toda a cidade”, explica.

Acesso

O projeto do acesso se arrasta desde 2015, ainda na gestão do ex-prefeito Ari Basso, quando dois produtores doaram 15 hectares onde foi planejado o traçado. Em 2017 o Governo chegou anunciar que havia disponibilizado R$ 420 mil para a obra, mas dependia de a Prefeitura concluir o licenciamento ambiental e apresentar o projeto.

No final de julho de 2014 os produtores Paulino Straliotto e Ivone Soares doaram uma faixa de terra de 13,8 hectares das suas propriedades e o prefeito Ari Basso assinou os decretos declarando estas áreas de utilidade pública para abertura de uma avenida que ligará a MS-162 (saída para Maracaju) com o Jardim Paraíso, servindo de acesso ao Frigorífico Balbinos.

A doação das áreas (8,4 hectares da propriedade de Ivone Soares e 5,4 de Paulino Straliotto) livrou o município de pagar pelo menos R$ 1,380 milhão de indenização, tomando como base o valor de R$ 100 mil por hectare. A Prefeitura chegou a abrir o trajeto (em duas pistas), mas interrompeu o serviço no trecho onde há uma nascente e seria preciso licenciamento ambiental para construir uma travessia.

Na época foram iniciadas gestões para o Governo bancar a obra, mas com o processo eleitoral em 2016, os entendimentos pararam. Em outubro de 2017, numa reunião na Capital, uma delegação de Sidrolândia liderada pelo então diretor da Agraer, Enelvo Felini, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, garantiu R$ 450 mil do Fundo de Desenvolvimento Industrial, para custear o acesso, que teria apenas uma pista e receberia revestimento primário. Na época a intenção é que fosse firmado convênio com a Prefeitura, que receberia os recursos e faria a obra. Transcorrido tanto tempo, nada aconteceu.

Neste ano, o prefeito Marcelo Ascoli esteve com o secretário de Obras do Estado, Murilo Zauith, quando reiterou o pedido de apoio do Governo para abertura do acesso.