Polícia Civil prende assassino de motorista de aplicativo foragido há três dias em MS

Vítima foi morta por dois tiros durante o trabalho, em Campo Grande.

Igor Cesar de Oliveira, suspeito do crime — - Foto: Polícia Civil/Divulgação

A Polícia Civil prendeu, nesta quinta-feira (16), em Campo Grande, Igor Cesar de Oliveira, de 22 anos, suspeito de matar a tiros o motorista de aplicativo Rafael Baron, 24 anos. Ele estava com a prisão preventiva decretada há três dias.

"Houve uma negociação e estamos indo agora efetuar a prisão dele", afirmou ao G1 o delegado Ricardo Meirelles Bernardinelli, responsável pelas investigações.

Poucas horas após o crime, a polícia já havia identificado o suspeito, que possui antecedentes criminais por roubo. A hipótese inicial era de latrocínio. Porém, com as buscas e o depoimento de testemunhas, foi descoberto que se tratava de um crime passional - motivado pela paixão.

Vítima foi gentil e fez poucas perguntas, afirma polícia

Conforme a polícia, o motorista de aplicativo foi morto por um motivo banal. Na ocasião, ele retornava de um posto de saúde com a esposa do suspeito grávida, quando o crime ocorreu.

"O motorista viu que ela estava com uma tipoia no braço e perguntou o que tinha acontecido, quando ela esclareceu que foi um acidente, ele então perguntou como tinha sido o acidente. Ela respondeu que estava sozinha, que foi de moto. Isso foi suficiente, segundo nossas testemunhas, para que o autor mudasse o semblante dele e passasse a ter outro comportamento", explicou o delegado.

Rafael foi morto assim que chegou no condomínio em que o casal mora. "Enquanto a mulher fazia o pagamento da corrida, o Igor saiu rapidamente do veículo, pulou a janela do apartamento e já retornou com a arma de fogo, acreditamos que seja um revolver calibre 38 e, sem dar nenhum tipo de chance para a vítima, efetuou dois disparos à queima roupa", completou.

Entenda o caso

Rafael foi atingido por dois tiros. Segundo apurado inicialmente pela polícia, o jovem recebeu uma chamada para buscar um passageiro no condomínio e, ao chegar no local, o pedido foi cancelado. Em seguida, ele foi abordado por um homem e morto.

A informação inicial era de que Rafael teria reagido a um assalto e acelerado o carro. Ele foi atingido por um tiro no pescoço, outro no braço esquerdo e bateu o veículo em outros dois automóveis e uma moto que estavam estacionados.

O Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) foram chamados, mas, o jovem morreu no local. O carro dele saiu fumaça na parte do motor e moradores do condomínio tentaram ajudar.