Em três anos, prefeito já concedeu 11,49% de reajuste e paga folha antes da virada do mês

Em três anos o reajuste salarial acumulado chegou a 11,49%, 21,52% acima da inflação do período que foi de 9,03%.

Prefeito de Sidrolândia Marcelo Ascoli, já concedeu 11,49% de reajuste e paga folha antes da virada do mês - Foto: Marcos Tomé/Região News

Com o reajuste de 5% (junto com a manutenção do abono de R$ 150,00) que já será pago no salário deste mês, o prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli, consolida sua política salarial de recuperação do poder de compra dos servidores públicos. Em três anos o reajuste salarial acumulado chegou a 11,49%, 21,52% acima da inflação do período que foi de 9,03%.

O acordo firmado com os professores garantiu a categoria dois reajustes anuais (em janeiro e maio). Em 2019 o magistério acumulará 9,37% de reajuste, com isto, o salário–base do professor nível 2 em nível de carreira, passou a ser de R$ 2.408,88 por 20 horas, equivalente a 94,18% do piso nacional da categoria para 40 horas. 

A política de reajuste salarial adotada pela Prefeitura de Sidrolândia, onde os funcionários tem recebido antes da virada do mês, suplanta a de municípios como Aquidauana, onde os salários do funcionalismo foram corrigidos em 3,87%; Aparecida do Taboado (4,69%) e Costa Rica (4,85%).

Na avaliação do prefeito, a política de recuperação do poder de compra do servidor está sendo feita de forma responsável para garantir o pagamento em dia e que a Prefeitura não extrapole o limite de gastos com pessoal fixados pela Lei de Responsabilidade Fiscal (54% da receita líquida). “Tivemos que adotar medidas duras de ajustes das contas públicas, mas a prioridade será sempre a folha de pagamento. O servidor tem que ser valorizado com a recuperação do seu poder de compra e o pagamento em dia”, destaca.   

O presidente do Sindicato dos Funcionários, Idemar Aquino, enalteceu a postura do prefeito Marcelo Ascoli que tem sido receptivo as reivindicações da categoria. “Foram vários dias de negociação, que nos permitiu aumentar de 3,5% para os 5% de reajuste definidos”. Outro avanço apontado pelo sindicalista é que foi mantido o abono de R$ 150,00, que beneficia principalmente os funcionários que ganham menos. Se houver um incremento da receita é possível que é em outubro o abono seja incorporado.

Segundo o secretário de Fazenda, Renato da Silva Santos, o reajuste aplicado leva em conta a capacidade de pagamento da Prefeitura. “Conseguimos recuperar o índice de repasse do ICMS do município, que de 13º saltou para 9º no ranking estadual. Houve reestruturação do IPTU e isto permitiu aumentar a receita própria”.