Três anos após última recaída, Jaqueline reencontrou a fé e trabalha para recuperar dependentes

Jaqueline percorre o Estado num projeto em que dá seu testemunho de que é possível superar o vício com base na fé.

Hoje aos 30 anos de idade incompletos, Jaqueline mora em Campo Grande, trabalha como diarista e nos dias de folga, junto com o companheiro se dedica a ajudar usuários de drogas. - Foto: Reprodução/Facebook

Personagem de uma reportagem em vídeo divulgada pelo Região News dia 9 de dezembro de 2015, Jaqueline Dorneles, chegou a mergulhar novamente nas trevas das drogas um mês de depois, quase foi morta a paulada por outro dependente químico, mas conseguiu uma nova oportunidade, pelo caminho da religiosidade.

Hoje aos 30 anos de idade, Jaqueline mora em Campo Grande, trabalha em casa de família e nos dias de folga, junto com o companheiro se dedica a ajudar usuários de drogas. Ela percorre o Estado num projeto da Igreja Assembleia de Deus Missões, em que dá seu testemunho de que é possível superar o vício com base na fé.

Jaqueline teve o primeiro contato com as drogas aos 23 anos, quando morava em Ponta Porã. Ela diz que passou a usar droga, para tirar o efeito do álcool, já que bebia muito. O momento mais crítico de sua dependência foi no dia 14 de outubro de 2014, quando foi presa por furto num estabelecimento comercial de Sidrolândia para sustentar o vício.

Passou seis meses num presídio feminino de segurança máxima em Campo Grande. “Foi muito humilhante, fiquei junto a homicidas, presenciei uma rebelião e vi meu rosto estampado na imprensa. Me sentia desprezível”, contou na entrevista que concedeu há quatro anos ao Região News.

Ela deixou o presídio e se internou numa clínica de recuperação, voltou às ruas, mas pouco tempo depois, caiu mais uma vez na tentação das drogas. Nesta época quase perdeu a vida, agredida a pauladas por um outro usuário na região dos trilhos. Jaqueline foi tirar satisfação com o agressor que teria matado uma amiga dela.

Nas redes sociais, tem feito postagens de sua fé como ferramenta para trilhar um caminho de redenção. “Se não fosse pela misericórdia de Deus eu nem estaria viva. Mas Deus tinha um plano para minha vida e me resgatou. Só estou de pé porque Deus tem sustentado”, relata numa das mensagens. Relembre a entrevista.