PSDB articula para tirar Daltro do páreo e dá o troco pela rejeição das contas de Enelvo em 2012

Além de abrir caminho para tirar do páreo da eleição de 2020, um forte concorrente, a motivação, foi também dar o troco.

O resultado da situação é atribuído a uma manobra inspirada por Daltro Fiuza em 2012 - Foto: Marcos Tomé/Região News

Independente do mérito técnico do parecer prévio do TCE pela rejeição das contas do exercício de 2008, o pano de fundo da decisão de ontem da Câmara de Sidrolândia, que manteve a decisão do Tribunal, foi a intensa articulação de bastidores do PSDB, comandada pelo ex-prefeito Enelvo Felini.

Além de abrir caminho para tirar do páreo da eleição de 2020, um forte concorrente, a motivação de Enelvo e do PSDB, foi também dar um troco ao que aconteceu em 2012. Na época a Câmara rejeitou as contas referentes a 2002, última gestão do tucano. O resultado é atribuído a uma manobra inspirada por Daltro (influenciando sua base aliada) com aval do então presidente da Mesa, Jean Nazareth.

Este episódio da rejeição das contas, que a Justiça anulou acatando o argumento do ex-prefeito de que não teve direito a exercer plenamente seu direito de defesa.

Além deste caráter de vendeta, o posicionamento do PSDB levou em conta um cálculo político-eleitoral. Tudo indica que Enelvo se interessa em polarizar a disputa do ano que vem com o prefeito Marcelo Ascoli. Não quer uma disputa pulverizada com a participação de um candidato com o potencial eleitoral de Daltro Fiuza, conforme atestam as pesquisas.