'Que o ambiente acadêmico ilumine debate da reforma da previdência e tributaria', diz Gerson em tradicional Congresso de Direito

Para Gerson Claro, as reformas em questão são essenciais para toda população.

Para Gerson Claro, as reformas em questão são essenciais para toda população - Foto: Assessoria de Imprensa

Representando a Assembleia Legislativa, o deputado estadual Gerson Claro (PP), participou da cerimônia de abertura do XIV Congresso de Direito Tributário, Constitucional e Administrativo e do VI Seminário Científico da Faculdade de Direito da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco), na manhã desta quinta-feira (23), e além de lembrar de seu período de acadêmico, salientou a importância e incentivou o debate no evento de temas fundamentais para o país, como as reformas da previdência e tributária.

"Espero que nesse ambiente acadêmico possam surgir ideias que iluminem para que no espaço político a gente possa cumprir nosso papel de entregar para a população o que ela necessita", afirmou Gerson Claro, que, em nome da Assembleia Legislativa, parabenizou os organizadores e desejou um bom congresso ao cerca de 1,3 mil inscritos, entre profissionais do Direito e estudantes.  

O advogado Clélio Chieza, um dos organizadores do evento, destacou que o Congresso ganhou notoriedade e credibilidade ao longo dos anos, e nesta edição vai promover debates que envolvem temas de interesse do país, como as reformas da previdência e tributária. "Levando em conta que toda solução teórica tem que ter um viés prático", frisou.

Também presente ao evento, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), o momento é propício para a discussão dos temas em questão, que são fundamentais para retomada de crescimento da nação.

"O Brasil tem arcabouço de legislações tributárias. Precisamos de uma simplificação e unificação dos tributos federais, estaduais e municipais, para garantir democratização e desburocratização", alegou Azambuja.

Para Gerson Claro, as reformas em questão são essenciais para toda população, uma vez que o cidadão, bem como o Estado, precisam aumentar fonte de receita e já não suportam elevada carga tributária do país.

Azambuja afirmou que a reforma da previdência não é para governo, mas para o país. "Se não tivermos mudanças o Brasil vai mergulhar num caos. É preciso melhorar a equação do déficit previdenciário. Essa é uma discussão importantíssima", destacou Reinaldo.

O Congresso acontece entre os dias 23 e 24 de maio, com mais de 40 expositores e abrangência em toda região do Centro Oeste. Também fizeram uso da palavra, na cerimonia de abertura, o conselheiro Ronaldo Chadid, representando o TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado) e o prefeito da Capital, Marquinhos Trad (PSD).