'Epidemia que mata mais que guerra', diz Claro dos 16 mil acidentes de trânsito em MS

De acordo com o parlamentar, no ano passado o Estado de Mato Grosso do Sul registrou 16,1 mil acidentes de trânsito.

De acordo com o parlamentar, no ano passado o Estado de Mato Grosso do Sul registrou 16,1 mil acidentes de trânsito. - Foto: Assessoria de Imprensa

Com números 'estarrecedores' e 'alarmantes', o deputado Gerson Claro (PP) ocupou a tribuna na Assembleia Legislativa, durante a sessão desta quinta-feira (30), para comentar os mais de 16 mil acidentes de trânsito registrados em Mato Grosso do Sul durante o ano de 2018, em alusão ao Maio Amarelo.

"Não poderia deixar encerrar o mês de maio, quando o Brasil todo vive o mês de conscientização da questão dos acidentes de trânsito, sem falar da importância do Maio Amarelo. Para conhecimento de todos, aproximadamente 50 mil pessoas morrem por ano vítimas do trânsito, número equiparado os homicídios cometidos em todo país. Então podemos dizer que vivemos uma epidemia no que diz respeito ao trânsito, que mata mais que muitas guerras", afirmou Gerson Claro.

De acordo com o parlamentar, no ano passado o Estado de Mato Grosso do Sul registrou 16,1 mil acidentes de trânsito, deixando cerca de 10 mil vítimas, sendo 226 delas fatais. "Só na Capital foram 8,9 mil acidentes e 84 pessoas perderam a vida em 2018 no trânsito de Campo Grande", lamentou o deputado.

Gerson ainda frisou que além dos gastos que acidentes geram para o país, principalmente nas áreas da saúde e segurança pública, milhares de famílias sofrem com entes queridos que ficam com sequelas, e outras muitas são obrigadas a conviver com o luto e a dor da partida.

Para o deputado Gerson Claro é fundamental políticas públicas de conscientização e educação de toda a população, integrando poder publico e sociedade organizada. "Não percebemos possibilidade de mudanças no trânsito sem mudança de comportamento da sociedade, e isso é feito também em casa, na família", frisou.

Além de ações de conscientização e educação no trânsito, o parlamentar ainda revelou que apenas 0,54% dos motoristas são multados por equipamentos eletrônicos de controle de velocidades, importantes instrumentos para evitar e/ou diminuir números de acidentes automobilísticos em ruas, avenidas e rodovias brasileiras.

Maio Amarelo

O Movimento nasceu com objetivo de promover uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil, bem como de colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade.

Durante seu discurso, Gerson Claro também falou sobre a resolução editada em 2010 pela ONU (Organização das Nações Unidas) que previa uma década de ações para segurança no trânsito para poupar cinco milhões de vidas até 2020. O documento foi elaborado com base em um estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde) que contabilizou, em 2009, cerca de 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países. Aproximadamente 50 milhões de pessoas sobreviveram com sequelas.

Dados dos organizadores do Maio Amarelo, mostram que três mil pessoas morrem por dia nas estradas e ruas, anona maior causa de mortes no mundo. Os acidentes de trânsito são o primeiro responsável por mortes na faixa de 15 a 29 anos de idade; o segundo, na faixa de 5 a 14 anos; e o terceiro, na faixa de 30 a 44 anos. Atualmente, esses acidentes já representam um custo de US$ 518 bilhões por ano ou um percentual entre 1% e 3% do PIB (Produto Interno Bruto) de cada país.

Se nada for feito, a OMS estima que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 (passando para a quinta maior causa de mortalidade) e 2,4 milhões, em 2030. Nesse período, entre 20 milhões e 50 milhões de pessoas sobreviverão aos acidentes a cada ano com traumatismos e ferimentos.