Governo recompõe base e derruba requerimentos da oposição

Governo conseguiu recompor sua base de apoio na Câmara e agora tem maioria para aprovar os projetos.

Vereadores da base aliada ao governo durante sessão na Câmara - Foto: Vanderi Tomé/Região News

O Governo do prefeito Marcelo Ascoli na sessão desta terça-feira deu uma demonstração que conseguiu recompor sua base de apoio na Câmara e agora tem maioria para aprovar os projetos que não exijam quórum qualificado de 2/3 (10 votos).

Com o apoio de 8 vereadores, (Celso Pereira foi o 8°), foram rejeitados dois requerimentos da vereadora Vilma Felini, com apoio da oposição, com pedidos de informações sobre gastos com pessoal no primeiro quadrimestre de 2019.

Um dos requerimentos, cobrava um relatório detalhado da folha de pagamento, com a relação nominal dos servidores com os respectivos salários e gratificações. O outro requerimento, que também acabou arquivado, cobrava informações sobre a nomeação de 40 funcionários comissionados que teriam elevado a folha de pagamento em R$ 88 mil.

Na votação do projeto de reajuste dos servidores, a oposição conseguiu atrair o apoio do vereador Celso Pereira para a emenda da vereadora Vilma Felini que ampliava para os 872 servidores contratados o reajuste de 5% dado aos efetivos. A votação ficou empatada e acabou desempatada com o voto de minerva do presidente da Câmara, Carlos Henrique.

O vereador Edno Ribas, que votou contra os requerimentos, acusou a autora das propostas de “politicagem”, já que todas as informações solicitadas estão no portal da transparência. “Temos que respeitar as prerrogativas dos poderes. Nomear, demitir, conceder gratificações, faz parte do poder discricionário do prefeito. Na época em que o PSDB administrativa a Prefeitura adotava essa prática”.

Inconformada com a votação, a vereadora anunciou que vai recorrer ao Ministério Público para cobrar as informações do Executivo.