Produtor de Sidrolândia investe R$ 4 milhões em usina fotovoltaica que será inaugurada sábado

Usina Fotovoltaica Jatobá ocupa uma área total de 14.000 m2, na qual estão dispostas 2.000 placas solares.

A propriedade de 4.500 hectares, além de se tornar autossuficiente em energia elétrica - Foto: Região News

Em solenidade programada para o sábado, que deve ter a participação do governador Reinaldo Azambuja e da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, será inaugurada na Fazenda Jatobá uma usina fotovoltaica, investimento de R$ 4 milhões, financiado pelo Banco do Brasil.

A propriedade de 4.500 hectares, além de se tornar autossuficiente em energia elétrica, vai ter um excedente de 1,75 megawatts que serão disponibilizados na rede de transmissão da Energisa, convertido crédito para o proprietário que receberá em energia elétrica convencional.

Segundo o produtor, Mauro Christianini, a usina de energia solar de 14 mil metros quadrados, vai gerar em média 0,785 megawatts, o suficiente para abastecer 400 casas.

Como a propriedade, incluindo sede, residências dos funcionários, além de silos e secadores, consome em média 0,60 MWh, além de economizar R$ 70 mil por mês (valor da conta de energia), terá um excedente de 1,5 MWH que ele venderá para a Energisa sendo remunerado em crédito de energia convencional para abastecer a propriedade quando a energia gerada pelas placas solares (em períodos de pouco sol) não for suficiente.

A Usina Fotovoltaica Jatobá ocupa uma área total de 14.000 m2, na qual estão dispostas 2.000 placas solares com a tecnologia Double Glass, mais resistente, com maior capacidade de produção de energia e maior durabilidade, capazes de gerar, em conjunto, até 95.000kmh/mês, com pico de potência de 640kwp.

Será a primeira usina do estado a utilizar o sistema Tracker, capaz de alterar os ângulos das placas em até 90º, (45º para cada lado, a partir da posição paralela ao solo) que trabalha em esquema de girassol, acompanhando a trajetória do Sol para um melhor aproveitamento da energia solar.

O nome da fazenda deriva das várias árvores de Jatobá plantadas na propriedade, cujas atividades principais são a produção de soja, milho e melhoramento genético de gado da raça Nelore. Com grande preocupação com a natureza, nos últimos anos os proprietários têm focado em ações sustentáveis, como o reuso de água.