Após 'pacto por Copa', jogadoras tiram peso de derrotas e adotam cautela para segundo jogo

Grupo tentou se unir após sequência de nove derrotas.

- "Foto: Richard Callis/Estadão Conteúdo" - Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados

Havia um peso nas costas das jogadoras do Brasil. Um fardo de nove derrotas consecutivas antes da Copa do Mundo, que era somado com desconfiança e insegurança causada pelo corte de três das atletas convocadas. A lesão que tirou Marta de estreia somou-se a tudo isso. Sob olhares de todo um país, a má fase precisava ser superada.

Lideranças fortes como a de Cristiane, que acabou marcando os três gols da estreia diante da Jamaica (vitória por 3 a 0), foram fundamentais no processo psicológico que a equipe se propôs.

As atletas chamaram a responsabilidade e se fecharam quase como em um pacto pela Copa do Mundo. E respiraram aliviadas. Vencer a Jamaica era mais do que importante, era vital para o caminho da Seleção no torneio. Mas, apesar do placar, o discurso ainda não é de euforia. Foi notória a cautela das atletas em segurar as rédeas da empolgação.

- Ninguém é bobo ao cego de não ver os resultados que vínhamos tendo. É um alívio. É como se a gente carregasse um peso, e tirou o jogo. Mas do mesmo jeito, tem que ter cautela. Agora começou a Copa do Mundo, e a Austrália vai vir com tudo para cima da gente, ainda mais depois de perderem - analisou Cristiane.

 
 

A frieza de Cristiane ao analisar o resultado se faz necessária e pertinente. Adversária na estreia, a Jamaica não levou grande perigo ao gol da goleira Barbara. Teve uma dificuldade imensa de criação e desenvolvimento de jogo. Estreantes em Mundiais e com jogadoras jovens e, por isso, inexperientes, não trouxe dificuldades de uma partida de alto nível em Copa do Mundo.

- Saímos mais confiantes. Falhamos em algumas coisas, mas é estreia. Acaba que é difícil fazer um jogo 100% perfeito. E errar o menos possível - disse Andressa Alves, que deu duas assistências, mas desperdiçou um pênalti na estreia.

Apesar de também adotar cautela em seu discurso, Andressa Alves aproveitou para valorizar o grupo e mostrou confiança em ainda mais evolução durante o torneio. Na véspera do jogo deste domingo, o técnico da Jamaica citou as nove derrotas consecutivas do Brasil. Por conta do retrospecto, a Seleção não foi colocada entre as principais postulantes ao título nesta edição.

- Pela sequência ruim que a gente teve, acho que as seleções estavam esperando um Brasil fraco e a gente sabe que essa camisa pesa muito. E da responsabilidade de vestir ela. Provamos hoje, mas temos que provar contra Austrália e todos os jogos até chegar na final.

Com a vitória por 3 a 0 contra a Jamaica, o Brasil assume a liderança do Grupo C da competição. A Itália também venceu, mas fica atrás pelo saldo de gols. Na próxima rodada, as brasileiras enfrentam a Austrália, que ocupa a terceira posição. As italianas encaram a Jamaica.