Produtor garante autossuficiência de energia de 8 fazendas e 6 filiais de empresa com inauguração de usina solar

Mauro investiu R$ 4 mi na instalação da usina que ocupa uma área de 14 mil metros quadrados na Fazenda Jatobá.

Usina que ocupa uma área de 14 mil metros quadrados na Fazenda Jatobá, com 2 mil placas para captação da energia solar - Fotos: Marcos Tomé/Região News

Pelos próximos 30 anos, todas as 8 propriedades rurais do produtor Mauro Christianini, bem como as seis filiais de sua empresa (a Boa Vista) dedicada a comercialização de produtos agropecuários e a casa onde mora e as residências dos filhos, passarão a ter não só autossuficiência (com o uso de energia solar, que é sustentável, não agride o meio ambiente), mas um excedente que venderá à Energisa, que é a distribuidora de energia do Estado. 

O produtor será remunerado pela distribuidora com créditos em energia que usará quando a produção da Usina Fotovoltaica Jatobá, que entrou funcionamento no último sábado, não for suficiente para atender a demanda de energia do produtor, de suas empresas e dos seus filhos, em torno de 0,60 megawatt gerando um custo mensal de R$ 70 mil. Como a usina deve gerar em média 0,75 MWh por mês, haverá um excedente de 0,15 MWh.

Mauro investiu R$ 4 milhões na instalação da usina que ocupa uma área de 14 mil metros quadrados na Fazenda Jatobá, com 2 mil placas para captação da energia solar. Contratou um financiamento junto ao Banco do Brasil (linha crédito do FCO), com dois anos de carência, 12 para amortização, taxa de juros de 6% ao ano, com desconto de 15% da parcela, paga em dia. Ele acredita, que em seis anos conseguirá pagar o investimento. A usina foi projetada para funcionar 30 anos, vai gerar 95 mil kwh por mês, com pico de potência de 640 kwp, energia suficiente para abastecer 400 casas.

Presente a inauguração, o presidente da Energisa, Marcelo Vinhaes explicou como funcionará o sistema de remuneração do excedente gerado. “A produção vai ocorrer aqui na Fazenda Jatobá, e serão compensadas lojas e outras fazendas do proprietário. A Energisa instala um medidor que registra tanto a energia que é consumida quanto a que é produzida, e aí a empresa faz a compensação das demais unidades vinculadas”.