Em Sidrolândia antiga esplanada vira favela de 165 barracos; a de Maracaju terá R$ 4,5 milhões para se tornar parque

A expectativa é que haja a reintegração de posse dos 14 hectares (que pertencem à União), já no julgamento do mérito da ação.

Antiga esplanada da Rede Ferroviária Federal em Sidrolândia, invadida desde o dia 28 de julho - Foto: Vanderi Tomé/Região News

A antiga esplanada da Rede Ferroviária Federal em Sidrolândia, invadida desde o dia 28 de julho do ano passado por famílias mobilizadas pela CUT/MST, transformou-se numa favela em pleno centro da cidade, com 165 famílias, onde quem quiser construir um barraco, tem de pagar à liderança uma taxa de R$ 300,00 e mais R$ 100,00 de mensalidade.

Ano passado a Justiça chegou a emitir uma ordem de despejo, mas que foi suspensa por falta de efetivo policial para o cumprimento da liminar. A expectativa é que haja a reintegração de posse dos 14 hectares (que pertencem à União), já no julgamento do mérito da ação.

Em Maracaju a situação é diferente. O antigo patrimônio da ferrovia na área urbana, a estação e todo pátio de estacionamento de trens, será revitalizado, transformados numa área de lazer. A Rumos, detentora da concessão do antigo ramal ferroviário, cedeu o imóvel para a Prefeitura que conseguiu junto ao Governo Federal, R$ 4,5 milhões para executar um projeto de revitalização.

Do Ministério do Turismo virão R$ 2,2 milhões, mais R$ 2,2 milhões da Secretaria de Esportes, além de R$ 100 mil de contrapartida.

O projeto, em fase de análise na Caixa Econômica, prevê o cercamento da área, construção de pista de caminhada; quadras poliesportivas, dois campos de futebol, 2 campo de futebol, sala de reunião, mini auditório; sala para exibição de filmes, paisagismo, sala de museu para peças e matérias ligados a ferrovia, parque infantil, arborização e quadra de vôlei, além de uma praça de alimentação.