Hospital busca R$ 400 mil em equipamentos para inaugurar nova ala com dois centros cirúrgicos

Nova ala do Hospital Elmiria Silvério Barbosa, com 530 metros quadrados de área construída deve estar concluída até fim do mês.

O prédio terá uma estrutura de maternidade, com dois centros cirúrgicos, 12 leitos. - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Até o fim do mês, no máximo primeira semana de julho, deve estar concluída a construção da nova ala do Hospital Elmiria Silvério Barbosa, com 530 metros quadrados de área construída. O prédio terá uma estrutura de maternidade, com dois centros cirúrgicos, 12 leitos.

O funcionamento depende da compra de equipamentos, além da construção de uma travessia fechada de irá ligar o prédio antigo (onde estão os leitos) com o novo, que não foi prevista no projeto de ampliação iniciado em 2017.  

A diretora administrativa do hospital, Vanda Camilo e o presidente da entidade mantenedora, Luiz Carlos Alves, estão confiantes que a Secretaria Estadual de Saúde vai viabilizar a compra de aproximadamente R$ 400 mil em equipamentos. “Por orientação do secretário Geraldo Resende já cotamos o preço do material necessário”, informa Vanda. Já o presidente do hospital está viabilizando parcerias para a construção da travessia, mas também de uma sala para os motoristas, além da reforma da lavandeira e da cozinha.

Além de dois centros cirúrgicos (um deles obstétrico) a nova ala abriga salas para recepção de pacientes, materiais e roupas esterilizadas, enfermagem, prescrição, parto normal (três salas), sala de pós-cirurgia com quatro leitos, sala de equipamentos, lavagem de materiais, desinfecção química, armazenagem de materiais esterilizados, quarto para médico plantonista, farmácia, sala de higienização (recém-nascido), e dois centros cirúrgicos.

“Nossa estrutura atual é muito antiga. Hoje temos apenas um centro cirúrgico. Por essa razão, produzimos pouco. Com o novo centro cirúrgico e obstétrico, vamos aumentar consideravelmente os atendimentos”, explica a diretora administrativa do Hospital, Vanda Camilo. “Hoje, realizamos em média 16 procedimentos cirúrgicos mensais. A ampliação nos possibilitará aumentar para até 80 ao mês, envolvendo procedimentos em obstetrícia, cirurgia geral, urologia, oftalmologia e vasculares”.

Recursos

A ampliação do hospital custou R$ 1,3 milhão, sendo R$ 1,1 milhão, recurso do Ministério da Saúde alocado no orçamento da União de 2014, por emenda do deputado federal Geraldo Resende e R$ 262 mil verba do Governo do Estado. O recurso federal (R$ 1.119.080,20) foi disponibilizado em agosto de 2016, mas só em dezembro, o Governo do Estado, viabilizou a contrapartida e chegou a ser assinada a ordem de serviço.

A obra só começou efetivamente em março de 2017, após intervenção do ex-prefeito Enelvo Felini junto ao governador Reinaldo Azambuja. O então secretário de Saúde, Nelson Tavares, dois meses antes, (em janeiro), havia cancelado a contrapartida.