Governo retomará modelo antigo na articulação política, diz Bolsonaro

Presidente garante permanência de Onyx na Casa Civil, que passa a ser responsável pela coordenação do Plano de Parceria de Investimentos

Presidente Bolsonaro, o general Floriano Peixoto (esq.), anunciado na presidência dos Correios, e o major da PM Jorge Antonio de Oliveira Francisco, novo ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência - Foto: Jair Bolsonaro/Facebook

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) reconheceu nesta sexta-feira, 21, que o governo vinha enfrentando dificuldades na articulação política com o Congresso, mas procurou poupar de críticas o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Após ter passado a articulação política de Onyx para o general Luiz Eduardo Ramos, que ocupará a Secretaria de Governo, Bolsonaro também reconheceu nesta sexta que teve que retornar ao modelo do governo anterior.

“Quando nós montamos aqui, no primeiro momento, por inexperiência nossa, tivemos algumas mudanças nas funções de cada um que não deram certo”, disse Bolsonaro, em entrevista no Palácio do Planalto. “Então, em grande parte, retornamos ao que era feito em governo anterior.”

O presidente disse ainda que o governo tinha problemas na articulação política, mas garantiu a permanência de Onyx na Casa Civil. Nas mudanças promovidas por Bolsonaro, Onyx passou a ser responsável pela coordenação do Plano de Parceria de Investimentos (PPI), programa responsável pelas concessões de infraestrutura e por tocar privatizações. “Onyx está fortalecido com o PPI”, reafirmou.

O novo ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, major da Polícia Militar do Distrito Federal Jorge Antonio de Oliveira Francisco, esclareceu, após o pronunciamento de Bolsonaro, como deve ficar a articulação política do governo agora. Segundo ele, a Secretaria de Governo, comandada agora por Ramos, fará a articulação do governo para fora. A Casa Civil, do governo para dentro, enquanto a Secretaria Geral vai ficar com a área de gestão.

Bolsonaro esclareceu também que a autorização do uso de esquadrões de drones para enfrentar criminosos ficará para o segundo momento, e não deve entrar no projeto que o governo prepara para dar “retaguarda jurídica” a soldados e policiais em operações de garantia da lei e da ordem (GLO).

“Queremos dar segurança para quem estiver em operação. Já essa questão dos drones deve ficar para um segundo momento. O que queremos é poupar vidas dos soldados nesses enfrentamentos”, afirmou após almoço com o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva.

O presidente não deu prazo para o envio desses projetos ao Congresso, mas disse trabalhar para enviar o primeiro deles nas próximas semanas. “Só vou autorizar GLO nos estados se houver retaguarda jurídica. Hoje o soldado tem mais medo de enfrentar um processo do que encarar troca de tiros. Após essas operações, nossos soldados têm que ser condecorados e não processados”, repetiu o presidente.

O presidente também disse não estar preocupado sobre um possível adiamento da votação do relatório da reforma da Previdência na Comissão Especial na Câmara devido às festas juninas na próxima semana. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), articula para tentar votar o texto também em plenário antes do recesso parlamentar.

“Pela minha experiência parlamentar, sei que os deputados passam as festas juninas nos estados. É quase uma festa religiosa. Não tem problema atrasar uma semana (a votação da Previdência), toco o barco”, afirmou.