Em clássico para 'salvar' Copa América, Brasil encara Argentina

Duelo no Mineirão vale uma vaga na semifinal do torneio, marcado pela falta de gols e problemas na organização

Tite fez segredo e não revelou a escalação da Seleção Brasileira para duelo com argentinos - Foto: Washington Alves/Reuters

Em uma Copa América marcada por erros de organização, pouco público, gramados ruins, ausência de Neymar e vários empates sem gols, a competição aguarda para a noite desta terça-feira um jogo capaz de amenizar todas as diversas falhas. A semifinal entre Brasil e Argentina, às 21h30, no Mineirão, tem o peso não só de valer a vaga na final, como também dar uma imagem melhor ao torneio.

As duas maiores potências do continente se enfrentam pela competição após 12 anos com a expectativa de uma partida histórica. Jamais houve um encontro entre os rivais por uma vaga na final e os dois times depositam na semifinal a expectativa de reparar as atuações ruins em algumas partidas anteriores do torneio.

O Brasil empatou dois jogos sem gols, bateu Bolívia e Peru e conviveu com vaias da própria torcida. Já a Argentina começou com derrota para a Colômbia, ficou no 1 a 1 com o Paraguai e depois se recuperou ao ganhar de Catar e Venezuela.

O peso do jogo fez o técnico Tite mudar de estratégia, ao tomar a rara decisão de não confirmar a escalação. O treinador revelou também estar ansioso e sofrer com insônia nas últimas noites a ponto de acordar de madrugada para anotar alguma ideia. "Será um grande jogo, um grande espetáculo. Por mais rivalidade que tenha a gente só se rivaliza com quem a gente admira", comentou.

A única dúvida no Brasil é se o lateral-esquerdo Filipe Luís será titular. O jogador tenta se recuperar de lesão na coxa direita. Se não estiver recuperado, Alex Sandro será o escolhido. O volante Casemiro cumpriu suspensão contra o Paraguai e está de volta à equipe.

Para o técnico argentino Lionel Scaloni, a semifinal propicia o jogo desejado por todos os fãs. "É uma partida que todos queriam ver, seja os torcedores desses países ou do resto do mundo, que vai querer ver pela televisão", afirmou.

O clássico sul-americano se torna um campeonato à parte justamente para os dois técnicos. Ambos buscam tranquilidade, porém por situações distintas. Tite está há três anos no cargo e convive com a pressão de ganhar a Copa América e de fazer o Brasil ter boas atuações. Uma eliminação diante da Argentina seria um fracasso pesado para o trabalho dele.

Scaloni vive o oposto. Com apenas 13 jogos na carreira de técnico, o interino sonha em ser efetivado e pode ter uma vitória sobre o Brasil ou até o título como um bom argumento para ter mais estabilidade no emprego pelos próximos anos. "Pela minha juventude e pouca experiência, eu não paro de aprender. Eu escuto sempre os jogadores e procuro refletir", disse o treinador de 41 anos.

A semifinal terá o confronto de propostas diferentes de jogo. O Brasil tenta desenvolver um futebol coletivo sem Neymar, enquanto a Argentina confia no talento de Messi como o grande condutor. "Os meus jogadores querem ser mais campeões pelo Messi do que por eles próprios", comentou Scaloni. Tite pensa o oposto. "É a força da coletividade que potencializa os talentos individuais."