Com Bia no comando, Brasil vira para cima da Polônia e se garante nas semifinais da Liga das Nações

Seleção brasileira começa de forma irregular e errando muito, mas se recupera e vence

- Foto: Divulgação / FIVB

O Brasil está nas semifinais da Liga das Nações feminina. Em confronto realizado nesta quinta-feira em Nanquim (ainda madrugada pelo horário de Brasília), a seleção brasileira bateu de virada a Polônia por 3 a 2 (22/25, 25/21, 22/25, 25/19 e 15/10) e já garantiu uma das duas vagas do Grupo B para a próxima fase. Os Estados Unidos, que superaram as polonesas na primeira rodada, também já carimbaram o passaporte.

A central Bia foi o destaque e a maior pontuadora do Brasil na partida, com 22 acertos. A ponteira Gabi também teve papel fundamental na vitória, com 17 pontos. Mas a maior pontuadora foi da Polônia. Malwina Smarzek teve 32 acertos na partida.

A equipe comandada por José Roberto Guimarães volta à quadra na sexta-feira (novamente a partir das 4h e com transmissão do SporTV2) para duelar com as americanas pelo primeiro lugar da chave. Quem vencer pegará o segundo colocado do Grupo A, formado por Turquia, Itália e a anfitriã China.

 

O jogo

As polonesas começaram melhor, abrindo 4/1 e indo para a primeira parada técnica com 8/4 a favor. Com o bloqueio passando a funcionar, o Brasil se recuperou, igualou em 14/14 e virou para 18/17. O troco veio em seguida, e o time europeu voltou a passar à frente (21/19). Aproveitando-se bem da impressionante força ofensiva de Malwina Smarzek (oito pontos na parcial) e das estaturas da capitã Agnieszka Kakolewska e de Magdalena Stysiak (18 anos) na rede, a Polônia venceu o set inicial por 25/22 e saiu na frente.

Buscando a reação, Zé Roberto pediu mais agressividade e capricho no saque. Ainda apresentando um desempenho irregular, as brasileiras fizeram 6/3 no segundo set, mas aceitaram a virada das adversárias, que chegaram a vantagem parcial de 8/6. Mesmo abaixo do normal, as meninas apertaram o ritmo e, conduzidas por Bia, tomaram a dianteira fazendo 16/15. Um bloqueio de Natália enfim parou Smarzek (até então com 100% de aproveitamento), e o Brasil abriu 21/19, selando a parcial em 25/21 depois de um ataque sensacional de Gabi.

Encaixando melhor o jogo, o Brasil veio forte para o terceiro set e logo marcou 8/4. O bloqueio polonês, no entanto, era forte e ajudou a empatar em 8/8. Um saque venenoso de Efimienko fez o selecionado europeu colocar 11/10. Pelo lado brasileiro, Bia seguia muito bem e cravou no solo contrário a virada (13/12). Mesmo abaixo de seu habitual, Natalia era até então principal pontuadora do time nacional e atacou para virar novamente a parcial (15/14). Dois aces de Macris abriram a distância para quatro pontos (21/17), mas o conforto da vantagem foi logo dissolvido pelas polonesas, que chegaram a 22/21 e depois 25/22, fazendo 2 a 1 no jogo.

Em busca da recuperação, o Brasil voltou com alterações (Amanda e Mara começando), e as mexidas funcionaram. A equipe brasileira logo fez 6/1 e, mesmo apertada pelas rivais, foi para a parada técnica com 8/5 e depois com 16/11 a favor. Com as rédeas na mão, as meninas de Zé Roberto seguiram dominando e empataram o jogo ao liquidarem a parcial por 25/19, levando a decisão para o tie-break.

Mais focado, o time brasileiro iniciou com tudo o set decisivo, cravando 5/0. Apesar de uma tentativa de nova reação das oponentes, o Brasil conseguiu 8/5 e em seguida 10/6. Mostrando mais eficiência e tranquilidade, as meninas souberam manter a vantagem e enfim dobraram a boa equipe polonesa, vencendo a parcial por 15/10, com direito a bloqueio de Bia, dona de 22 pontos no total, só atrás de Smarzek, maior anotadora da partida com incríveis 32 pontos.

Brasil: Natália, Macris, Gabi, Paula Borgo, Carol, Bia e a líbero Léa. Entraram Amanda, Lorenne, Roberta, Mara e Tainara. Técnico: José Roberto Guimarães

Polônia: Agnieszka Kakolewska, Malwina Smarzek, Magdalena Stysiak, Zuzanna Efimienko-Mlotkowska, Joanna Wolosz, Natalia Medrzyk e a líbero Maria Stenzel. Entraram Martyna Grajber, Julia Nowicka. Tpecbico: Jacek Nawrocki