Barro e poeira no prolongamento da Antero Lemes, onde deveria ter grama

Canteiro central do prolongamento da Avenida Antero Lemes da Silva chama atenção de quem passa por lá.

Canteiro da Avenida Antero Lemes recebeu mudas de grama da variedade batatais - Foto: Marcos Tomé/Região News

A obra de prolongamento da Avenida Antero Lemes até a Avenida Aroeira foi concluída, mas o que está chamando atenção de quem passa por lá é o canteiro central onde o solo foi revirado para o plantio de mudas de grama da variedade batatais, usada normalmente em pastagem ou campos de futebol.

Um cenário de poeira (na estiagem) e barro (quando chove), bem diferente do que vê logo adiante nas vias também urbanizadas recentemente pela empresa responsável pelo Loteamento Vival dos Ipês, onde optou-se pela grama esmeralda, variedade dominante nos canteiros centrais de Sidrolândia.   

Segundo empresários que atuam no segmento, vai demorar aproximadamente um ano para que o canteiro central deste trecho da Antero Leme, em termos estéticos, tenha configuração de um gramado uniforme. Este é o tempo de maturação da variedade.

Como não há herbicida desenvolvido para o controle de erva daninhas, a manutenção é mais cara, além de mais lenta, porque não é mecanizada, exigindo contratação de mais mão de obra, porque tudo é feito com a utilização de enxadas. Foto: Vanderi Tomé/Região News

Embora mais cara (R$ 8,00, enquanto a batatais, custa R$ 4,00 o metro quadrado plantado), a esmeralda é recomendada por ter um custo de manutenção mais barato, porque há herbicidas que garante o controle de ervas daninhas. O representante da empresa que executou a obra, informou à reportagem que se limitou a seguir o projeto elaborado pela Agesul, tendo enfrentado dificuldades para encontrar mudas da grama batatais, tendo de recorrer a um fornecedor de Maracaju. 

O secretário de Governo da Prefeitura de Sidrolândia, Clayton Ortega, informou ao RN que vai cobrar da Agesul a possibilidade de substituir a grama batatais pela esmeralda. “Como a obra é do Estado, nós do Poder Público Municipal não temos nenhuma autonomia em promover mudanças no cronograma de execução, mas vamos discutir o assunto, já que temos uma grameira em nossa cidade”, argumenta.

 

*Matéria atualizada para acréscimo de informações.