Em cerimônia com Bolsonaro e Michelle, governo lança programa de incentivo ao trabalho voluntário

Chamado de Pátria Voluntária, programa incentiva ações voltadas à população considerada vulnerável. Primeira-dama presidirá o conselho gestor.

O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, posaram para foto ao lado de estudantes — - Foto: Marcos Corrêa/PR

O governo federal lançou nesta terça-feira (9), em cerimônia no Hospital da Criança de Brasília, o programa nacional de incentivo ao trabalho voluntário. A ação, de acordo com o governo, é voltada para a população considerada mais vulnerável, como pessoas de baixa renda, com deficiência e moradores de rua.

O presidente Jair Bolsonaro e a primeira dama, Michelle Bolsonaro, participaram do lançamento do programa, coordenado pelo Ministério da Cidadania e batizado de Pátria Voluntária. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também compareceu ao evento.

O programa foi criado por meio de decreto. O Ministério da Cidadania informou que o programa incentiva a participação das pessoas em “práticas sustentáveis, culturais e educacionais”. O governo pretende utilizar espaços públicos para desenvolver as atividades voluntárias, sem remuneração.

O governo ainda criou o Prêmio Nacional de Incentivo ao Voluntariado. Simbólica, a premiação será entregue anualmente a pessoas e entidades que realizam ações voluntárias de interesse social. Também dará um selo para reconhecer organizações da sociedade civil que incentivam o trabalho voluntário.

Em discurso no evento, Michelle afirmou que recebeu com alegria o convite para presidir o conselho do Pátria Voluntária. Ela apresentou fotos de atividades voluntárias que desenvolveu nos últimos anos.

“Dentro das minhas limitações, sempre quis ajudar o próximo. É um chamado do meu coração. Aceite esse caminho como um desígnio de Deus”, disse a primeira-dama.

Conselho

Segundo o ministério da Cidadania, a primeira-dama Michelle Bolsonaro presidirá um conselho, vinculado à pasta, que conduzirá o programa. O conselho terá representantes do governo e da sociedade civil.

Pelo governo, 12 ministros participaram do conselho, entre os quais, Osmar Terra, Paulo Guedes e Sérgio Moro. Pela sociedade civil, participaram do colegiado a cantora Elba Ramalho, o iatista Lars Grael e a mulher de Moro, Rosângela Moro.