Juiz fixa em R$ 1 mil fiança para padrasto que atropelou e matou enteado

Baiano, como é conhecido, só precisa pagar a fiança arbitrada em R$ 1 mil para responder em liberdade ao processo.

Juiz Cláudio Müller Pareja concedeu liberdade provisória ao pedreiro Valdemir Amorim da Silva - Foto: Crislaine Jara/Região News

O juiz Cláudio Müller Pareja concedeu liberdade provisória ao pedreiro Valdemir Amorim da Silva que no sábado à noite, dirigindo um Fiat Palio, atropelou e matou o enteado, Evandro Martins, de 26 anos. Baiano, como é conhecido, só precisa pagar a fiança arbitrada em R$ 1 mil para responder em liberdade ao processo por homicídio culposo.

Embora estivesse dirigindo embriagado quando atropelou e matou o enteado de 26 anos na MS-162, no Distrito de Quebra Coco, o juiz não converteu em preventiva a prisão em flagrante. Como as testemunhas, incluindo a mãe da vítima, sustentaram a versão de que houve um acidente, o juiz entendeu que o suspeito (indiciado por homicídio culposo) poderia ficar em liberdade já que é réu primário e tem residência fixa.