Na fila de espera desde quinta-feira, em protesto mais de 70 caminhoneiros travam descarga do milho

Conforme informações levantadas pela reportagem, por lei, o tempo máximo de espera para descarregar seria de cinco horas.

Os motoristas decidiram suspender a descarga do milho para cobrar da empresa o pagamento de diárias - Foto: Vanderi Tomé/Região News

Desde quinta-feira mais de 70 motoristas com os caminhões carregados de milho, estão concentrados no pátio do Complexo de Armazenagem da Cargill em Sidrolândia e nas ruas próximas, dispondo de apenas um banheiro, onde só há um cano improvisado de chuveiro.

Os motoristas decidiram suspender a descarga do milho para cobrar da empresa o pagamento de diárias neste período em que estão sem trabalhar porque os equipamentos de secagem de grãos são lentos e a unidade só funciona das 7 da manhã às 16 horas, sem atividades aos finais de semana. Representantes do Sindicato da categoria, com sede em Campinas, estão sendo esperados em Sidrolândia para buscar uma negociação com a empresa.

Conforme informações levantadas pela reportagem, por lei, o tempo máximo de espera para descarregar seria de cinco horas. Como já são 65 horas de espera, os motoristas estão perdendo dinheiro, porque estão parados no pátio da empresa, quando poderiam ter feito várias viagens até as lavouras e trazendo mais cargas.

Os produtores também podem ser prejudicados, porque correm o risco de perder o milho (vendido antecipadamente para a Cargil) no caso de vendaval e nesta época, a empresa pode executar a compra, cobrando deles pelo milho não entregue. Alguns deles, mantiveram contatos com os motoristas e orientaram a manter a mobilização.

Caminhoneiros cruzam os braços em protesto por demora na descarga

Demora na desgarga de caminhões carregado com milho gera prosteto e caminhoneiros querem receber por hora parada em armazém da Cargil. Assista

Publicado por Regiao News em Terça-feira, 23 de julho de 2019