Justiça libera mulher presa por tráfico para ficar em casa com tornozeleira para cuidar dos filhos

No depoimento que prestou na Delegacia, M.B.V, de 23 anos negou envolvimento no tráfico de drogas.

M.B.V, 23 anos, presa no final de julho, junto com o marido, L.M.B, por tráfico de drogas - Foto: Divulgação/PM

Por decisão da Justiça, M.B.V, 23 anos, presa no final de julho, junto com o marido, L.M.B, por tráfico de drogas, está em liberdade desde ontem, vai ficar em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica, para poder cuidar dos dois filhos menores.

O juiz Claudio Müller Pareja, com base em investigação social que comprovou o envolvimento dela no cuidado com os filhos, relaxou a prisão preventiva de M.B.V, com base no artigo 318 penal, que garante o benefício da prisão domiciliar, a mulheres, mães de filhos menores, presas por terem cometidos crimes não violentos.  

No depoimento que prestou na Delegacia, ela negou envolvimento no tráfico de drogas, que seria de responsabilidade do marido. A Polícia acusa o casal de manter em casa, na Rua Evaristo Roberto Ferreira, uma boca de fumo. No dia do flagrante, foram encontradas na residência 23 paradinhas de maconha e 4 de cocaína, prontas para venda, balança de precisão.

Havia também dois cadernos com a contabilidade de compra e venda dos entorpecentes, nome de possíveis fornecedores e clientes, rolos de embalagens plásticas para acondicionar as porções de drogas. Num pote foram encontradas 138 cédulas, totalizando R$ 1.970,00, o que dá uma ideia da receita gerada na boca de fumo.

Também chamou atenção dos policiais a localização de seis celulares e uma Carteira de Identidade, provavelmente deixada em garantia de pagamento por algum usuário credor. O celular é uma moeda de troca utilizada para compra de pequenas porções adquiridas para consumo.