Com a janela fechada, Neymar é o 10º jogador a se apresentar para a Seleção de Tite em Miami

Atacante do PSG chegou aos EUA na noite de domingo e se juntou à delegação no início desta tarde de segunda-feira, na Flórida.

- Foto:CBF

De volta. Após definir sua permanência no PSG, Neymar se apresentou à seleção brasileira neste início de tarde de segunda-feira, em Miami. Após a lesão que o tirou da Copa América, ainda na preparação para o torneio continental - saiu com entorse no tornozelo no primeiro tempo de Brasil e Catar, em Brasília -, o craque voltou ao grupo de Tite na convocação de 16 de agosto.

Ele é o 10º jogador a se apresentar em Miami, no estado da Flórida. Neymar chegou sozinho. Na noite de domingo, ele publicou foto ao lado do amigo Gabriel, lateral com passagens por Fluminense e São Paulo e que encerrou a carreira no Miami Dade.

O primeiro treino do time de Tite está marcado para as 17h30 (horário local, 18h30, de Brasília) no centro de treinamento do Miami Dolphins, time de futebol americano da cidade.

Thiago Silva, Ederson, Firmino, Fabinho, Weverton, Bruno Henrique, Daniel Alves, Jorge, Ivan e Neymar são os 10 atletas integrados à delegação - que ainda conta com o reforço de Igor Gomes, meia do São Paulo, e Lucas Freitas, zagueiro do Flamengo, chamados para completar os treinos.

Sem atuar 90 minutos desde 27 de abril

Em litígio com o PSG, Neymar se apresentou ao time francês dia 15 de julho. Desde então ele faz apenas atividades físicas, treinos com bola - que chegaram a ser separados do grupo do PSG -, sem participar de trabalhos táticos da equipe francesa. Vai completar 50 dias apenas de treinos numa pré-temporada larga e forçada de tanta indefinição.

Em meio à inúmeras tentativas de transferência nesta janela que fecha hoje para o futebol espanhol, Neymar não entra em campo desde 5 de junho, quando atuou apenas 21 minutos no amistoso contra o Catar, pelo time de Tite, ainda na preparação da Copa América. Não completa 90 minutos desde 27 de abril – no empate por 2 a 2 na final da Copa da França. Aquela que ficou marcada pela derrota nos pênaltis e o soco aplicado no torcedor.