Goleira Aline vê Brasil disputando medalha em Tóquio 2020

'Brasil tem coisas que nenhuma seleção do mundo tem. Jogadoras espetaculares, que podem mudar qualquer partida', diz Aline

Goleira acredita que se time seguir as instruções da técnica irão prosperar - (Foto: Mauro Horita/CBF)

Aline Reis quase foi a heroína do Brasil na decisão do Torneio Internacional de Futebol Feminino, disputado no último domingo, 1, no Pacaembu, em São Paulo. Após o empate sem gols com o Chile no tempo normal, a goleira de só 1,62m de altura defendeu três cobranças na disputa por pênaltis. Mas, a pontaria das brasileiras não ajudou, e as chilenas ficaram com o título da competição amistosa ao vencer por 5 a 4.

"A gente tira aprendizado de toda derrota. O legal é que, independente de ganhar ou perder, a gente senta com a comissão técnica e assiste aos vídeos. Nossa mentalidade tem sido aprender e evoluir. Se continuarmos assim, com essa preparação até a Olimpíada, o Brasil chegará forte e competindo por medalha", afirmou a camisa 12, que defende o Tenerife, da Espanha.

O primeiro contato com a técnica que comandará o Brasil na trajetória até os Jogos de Tóquio agradou à goleira. Para Aline, a experiência da sueca Pia Sundhage, bicampeã olímpica dirigindo os Estados Unidos, será positiva à Seleção.

"O Brasil tem coisas que nenhuma seleção do mundo tem. Jogadoras espetaculares, que podem mudar qualquer partida. Mas podemos aprender com outras seleções, com Suécia e Estados Unidos. E a Pia tem essa bagagem. Se a gente souber escutá-la e colocar em prática o que ela nos passa, vamos crescer muito", disse.

Apesar da atuação de destaque contra as chilenas, Aline deixa a disputa pela vaga de titular brasileira em segundo plano. Ela foi reserva de Bárbara na Copa do Mundo, na França, e na vitória por 5 a 0 sobre a Argentina, na última quinta-feira, 29.

"O goleiro envolve muitas facetas. Claro, poder servir à Seleção e finalizar um jogo dessa forma, pegando três pênaltis, é uma motivação, uma alegria. Mas, meu papel aqui é maior que esse. Em todas as vezes que sou convocada, tenho uma gratidão imensa, e tento chegar para contribuir, independente de estar ou não em campo. Meu papel é dar o melhor e ajudar as outras goleiras a serem melhores também", encerrou.

A Seleção tem, por enquanto, dois amistosos marcados, contra Inglaterra e Polônia, além de um torneio amistoso na China — ainda sem data definidas. Prata nos Jogos de 2004 e 2008, o Brasil buscará, no Japão, um ouro inédito para o futebol feminino.