Em cenário pulverizado, com 7 candidatos, Daltro mantém liderança com 20,66%

Na pesquisa estimulada, Daltro aparece com 20,66% das intenções de voto; seguindo do ex-prefeito Enelvo Felini, com 14,33%.

Ex-prefeitos Daltro Fiuza e Enelvo Felini, produtor rural Lúcio Basso e atual prefeito Marcelo Ascoli aparecem na frente na pesquisa - Fotos: Marcos Tomé/Vanderi Tomé/Região News

Em nova pesquisa sobre intenção de voto para prefeito de Sidrolândia, feita pelo Instituto Ranking, o ex-prefeito Daltro Fiuza também aparece na liderança, desta vez, num cenário com sete candidatos, que em princípio parece pouco provável de se materializar. Foram entrevistados 300 eleitores, entre os dias 26 e 27 de agosto, distribuídos entre as zonas urbana e rural, levando em conta o perfil socioeconômico do eleitorado.

Na pesquisa estimulada, Daltro aparece com 20,66% das intenções de voto; seguindo do ex-prefeito Enelvo Felini, com 14,33%; o produtor rural Lúcio Basso, com 10%, tecnicamente empatado com o prefeito Marcelo Ascoli (na margem de erro de 4 pontos percentuais), que tem 7%. Na sequência aparece, os vereadores Kennedi Forgiarini (PP) com 4,66%; Adilson Brito (PROS), 3%; Waldemar Acosta (PDT), 2,66%; o vice-prefeito Wellison Muchiutti (MDB), 2%; o petista Pedro Mamede tem 1,66%, enquanto 34,03% se disseram indecisos ou dispostos a votar em branco.

Na pesquisa espontânea, em que os entrevistadores não apresentaram um disco com nomes de possíveis candidatos, Daltro aparece também na liderança com 11,66%; seguindo-se na sequência, Enelvo com 7,33%; Lúcio Basso, 5% e o prefeito Marcelo Ascoli, tem 4%; os vereadores, Adilson Brito (3,33%), Kennedi Forgiarini (2,33%) e Waldemar Acosta (2%); o vice-prefeito, 1,33%; 1% dos eleitores citaram outros nomes e o índice de indecisos e de quem revelou intenção votar em branco, ficou em 62,02%.

A pesquisa, logicamente não antecipa o resultado de uma eleição que só vai acontecer daqui a 13 meses, é um indicador de popularidade de alguns nomes, muitos deles, como os vereadores mencionados, em princípio, sem projeto de disputar o comando do Executivo. Daltro para se tornar candidato, terá de enfrentar uma batalha jurídica para conseguir o aval da Justiça. Tem contra si uma condenação em segunda instância (do Tribunal de Justiça), além da rejeição as contas relativas ao exercício de 2008.

É pouco provável, na eventualidade do produtor rural Lucio Basso aceitar ser candidato, que o ex-prefeito Enelvo Felini se mantenha na disputa, já que ambos, em tese, disputariam a mesma fatia do eleitoral. Embora na quarta posição, o prefeito Marcelo Ascoli, certamente terá uma candidatura competitiva na possibilidade de uma disputa polarizada, com Enelvo.

Para isto, vai precisar atrair o apoio do eleitorado de Daltro, isto na eventualidade do ex-prefeito ficar inelegível, o MDB, partido do ex-prefeito, optar por manter a eleição com Ascoli. Para Enelvo, por sua vez, que num cenário otimista teria patamar de 30% (somando suas intenções de voto e parte das intenções de votos de Lucio Basso e dos vereadores Kennedi Forgiarini, Adilson Brito e Waldemar Acosta), seria conveniente uma terceira via que receberia parte dos votos de quem está insatisfeito com a atual gestão.

*Matéria atualizada para acréscimo de informações.