Imagens impressionantes mostram ‘mar cinza’ na vegetação do cerrado de MS após queimadas

Drone sobrevoou e mostrou destruição em área do cerrado.

Verde da árvore contrasta com o cinza da paisagem do cerrado após área ter sido atingida por incêndio florestal no sábado (7) — - Foto: Luiz Felipe Mendes/Arquivo Pessoal

Imagens de drone mostram um verdadeiro "mar cinza" em uma área de vegetação do cerrado sul-mato-grossense atingida por uma queimada. O vídeo foi feito próximo a cidade de Dois Irmãos do Buriti, no domingo passado (8), um dia após a área ter sido devastada por um incêndio. Quem fez a gravação foi o biólogo Luiz Felipe Mendes.

Ipê amarelo praticamente reluz em meio a paisagem devastada por incêndio em vegetação no cerrado de Mato Grosso do Sul — Foto: Luiz Felipe Mendes/Arquivo Pessoal

Ele aponta que os estragos causados a fauna e flora da região são irreversíveis. "É uma dor tão grande que faltam até palavras para descrever. Muitos falam que daqui uns anos tudo vai voltar ao normal, mas os pequenos animais que geralmente não conseguiram fugir do fogo e que acabaram morrendo, nunca mais voltarão, então isso é irreversível."

Pela sequência de imagens, é possível ver uma única árvore verde que resistiu ao fogo. Uma outra imensa área triangular cinzenta divide um lado da pista da rodovia com uma outra área que está com a vegetação seca. O drone percorre o trecho e a impressão é de um "mar cinzas". Dois Ipês amarelos também resistiram , barracos de um assentamento localizado às margens da rodovia foram destruídos pelo incêndio e um outro Ipê amarelo, é a única forma de vida em uma grande área que foi tomada pelas cinzas.

Conforme o Coordenador da Defesa Civil do Estado, tenente coronel da Fábio Catarinelli, um levantamento realizado pelo o órgão em parceria com o Prevfogo, entre os dia 1º de agosto e 8 de setembro deste ano , apontou que o estado registrou uma área destruída pelas queimadas de 1,027 milhão de hectares.

Drone captou 'mar cinza' de vegetação queimada próxima a rodovia em MS — Foto: Luiz Felipe Mendes/Arquivo Pessoal

Da última terça-feira até quarta, Mato Grosso do Sul registrava, segundo a Defesa Civil, 705 focos de calor e nas últimas 24 horas, o número caiu para 126 (até às 15h44 desta quinta-feira, de acordo com o satélite de referência).

A explicação para essa redução, segundo a especialista em meteorologia do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima de Mato Grosso do Sul (Cemtec), Franciane Rodrigues, é por conta de uma frente fria que chegou as regiões sudeste e sul com mais intensidade o que interferiu no clima da região pantaneira, local que mais sofreu com os incêndios.

MS decreta estado de emergência por conta das queimadas

O governo de Mato Grosso do Sul decretou nesta quarta-feira (11), por 180 dias, situação de emergência em razão do grande número de queimadas no estado, principalmente na região do Pantanal. O texto deve ser publicado na edição desta quinta-feira (12) do Diário Oficial.

Com o decreto o governo do estado pode comprar produtos e contratar serviços para o combate às queimadas sem licitação, além de se habilitar para receber auxílio do governo federal em termos de recursos, máquinas e equipamentos, até mesmo das organizações militares.

O governo decidiu decretar emergência após uma reunião realizada nesta terça-feira (10), entre sua equipe técnica e a do Instituto Nacional do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os técnicos avaliaram a gravidade do problema por conta da estiagem prolongada e da expectativa de falta de chuva para os próximos 15 dias.