Darlan Romani faz a 2ª melhor marca da eliminatória e vai à final no Mundial de Atletismo

Buscando a inédita medalha para o Brasil no arremesso de peso, catarinense passa de fase com 21,69m, seu único arremesso na série.

- Foto: Wagner do Carmo/CBAt

Número 2 do mundo no arremesso de peso, Darlan Romani pisou no Estádio Khalifa com um semblante tranquilo, mas muito concentrado. Isolado do mundo nos últimos dias - ele chegou a desativar todas as suas redes sociais -, o catarinense sabia que só dependia de si para alcançar o objetivo inicial no Mundial de Doha, que era chegar à final da sua prova. Diferentemente de Londres 2017, quando parou na eliminatória, Darlan tratou de resolver sua situação logo no primeiro arremesso. Com 21,69m de marca, ele passou à final na segunda colocação geral. A decisão acontece no sábado às 14h05.

- A gente trabalha para isso. Estamos preparados para fazer um grande resultado. Muitos podem considerar que não, mas aqui é a etapa mais difícil, se classificar para a final. Temos de esperar até o sábado agora. Estou competindo internacionalmente contra esses caras desde 2016, isto tem me ajudado muito. Tenho que continuar batalhando, não acabou ainda. Agora é cabeça 200% na competição - disse o catarinense de Concórdia.

Darlan só não foi o melhor da eliminatória, porque o neozelandês Tomas Walsh arremessou 21,92m também na primeira rodada. Quem passou em terceiro foi o sérvio Armin Sinancevic, que fez 21,51m, melhor marca na carreira. Ao todo, 10 arremessadores passaram à final. Na decisão, cada um terá direito a seis arremessos, três a mais que na eliminatória.

- Estou me poupando hoje, mas amanhã de manhã tem treino pesado. Minha cabeça agora está toda voltada para essa final. O mais difícil já passou - resumiu Darlan, que conseguiu o 10º maior arremesso de todos os tempos (22,61m) na Diamond League de Eugene, este ano.

Caso Darlan chegue ao pódio no sábado será a primeira medalha do Brasil no arremesso de peso em um Mundial de Atletismo. Além de Tomas Walsh, concorrem com o brasileiro o americano Darrell Hill (22,44m como melhor marca da carreira), o polonês Konrad Bukowieck (22,25m) e o tcheco Tomas Stanek (22,17m).

O recorde mundial do arremesso de peso pertence ao americano Randy Barnes, que arremessou 23,12m no dia 20 de maio de 1990 em Westwood, Estados Unidos.

Yuilmar Rojas avança no salto triplo

No salto triplo feminino, Yulimar Rojas, uma das principais estrelas do Mundial de Doha, avançou à final com 14,31m, apenas a quarta melhor marca da eliminatória. Campeã em Londres 2017, ela volta a competir no sábado, às 14h35, quando acontece a decisão do ouro. Quem passou em primeiro foi a jamaicana Shanieka Ricketts, que fez 14,42m. Maior rival de Yulimar, a colombiana Caterine Ibarguen passou em segundo, com 14,32m.

- Estou feliz por ter conseguido a classificação logo na minha primeira tentativa. Agora preciso descansar para estar preparada para sábado. Está sendo um ano maravilhoso. Tenho trabalhado muito a minha estratégia com o meu técnico Ivan Pedroso e estamos preparados para alcançar o nosso objetivo aqui em Doha - comentou Yulimar, dona da segunda melhor marca de todos os tempos no salto triplo: 15,41m.