Abertura de acesso ao frigorífico vai custar R$ 833 mil e asfalto na Dr. Costa Marques R$ 326 mil

O Governo vai investir aproximadamente R$ 1,1 milhão para atender as duas demandas, que foram levadas ao governador.

Implantação do acesso ao Frigorífico Balbinos, uma via de 5,4 quilômetros entre a MS-162 e o pátio da indústria - Foto: Marcos Tomé/Região News/Drone

A implantação do acesso ao Frigorífico Balbinos, uma via de 5,4 quilômetros entre a MS-162 e o pátio da indústria, vai custar R$ 833.8356,83, já a pavimentação de um trecho de 407,70 metros da Rua Dr. Costa Marques no São Bento, que serve de rota para os caminhões frigoríficos, foi estimada em R$ 326,614,11. Com a pavimentação (com asfalto à frio) o frigorífico terá condições de colocar em funcionamento a sala de desossa, que vai garantir a abertura de mais 300 empregos.

O Governo vai investir aproximadamente R$ 1,1 milhão para atender as duas demandas, que foram levadas nesta quinta-feira ao governador Reinaldo Azambuja pelo prefeito de Sidrolândia, durante reunião em Aquidauana.

Em agosto, o deputado Gerson Claro, esteve na indústria, se reuniu com o prefeito e fez gestões junto ao Estado para as obras serem incluídas no planejamento deste ano.

O projeto do acesso (o terceiro apresentado pela Prefeitura) teve seu custo encarecido em aproximadamente R$ 200 mil, por culpa do próprio Governo do Estado. Apesar das advertências do município, na duplicação da MS-162 foi construído um bueiro e um dissipador de energia (uma espécie de escada por onde passa a enxurrada) que joga toda a água da chuva no traçado planejado para o acesso.

Será preciso construir outro dissipador, um vertedouro e abrir uma bacia de detenção para a futura pista não ficar alagada. Haverá grande movimentação de terra, porque o acesso de 4,5 metros está abaixo do nível da rodovia.

Está no projeto um bueiro para travessia da água de um riacho existente no trajeto, além da aplicação do revestimento primário na pista. A Prefeitura fez a abertura da via, o cercamento, separando o corredor das fazendas e o projeto ambiental. Foram investidos R$ 60 mil de recursos próprios.