PM recaptura rapaz condenado a 9 anos de prisão por tentativa de latrocínio

Wesler de Souza Cristaldo, 24 anos foi recapturado pela Polícia Militar. Ele não poderia se ausentar de Campo Grande.

Polícia Militar recapturou ontem à noite no Jardim Paraíso, Wesler de Souza Cristaldo, 24 anos - Foto: Vanderi Tomé/Região News

A Polícia Militar recapturou ontem à noite no Jardim Paraíso, Wesler de Souza Cristaldo, 24 anos, que não poderia se ausentar de Campo Grande e com isto, deve perder o benefício de cumprir em regime semiaberto a pena de 9 anos de prisão a que foi condenado pela Justiça por ter participado de uma tentativa de latrocínio dia 8 de maio de 2015.

Eles entraram pela porta do fundo de uma casa na Rua Norival Lopes, surpreendendo o morador, Jucimar Ajala, que estava deitado no quarto. O amarraram e começaram a revirar tudo em busca de dinheiro ou alguma coisa de valor. Irritados, porque não conseguiram nada pensaram em matar o rapaz. Wesler segurou Jucimar, enquanto seu comparsa, Maycon Douglas de Souza, desferiu um golpe de faca na barriga dele e depois tentaram atear fogo no colchão onde deixaram o rapaz amarrado.

Fugiram com a bicicleta de Jucimar, mas acabaram presos pela Polícia Militar perto do Supermercado 13, aparentemente desorientados após consumirem droga. Com ferimento superficial no abdome, a vítima conseguiu sair na rua e foi socorrida por populares que o levaram para o hospital.

Em 16 de novembro de 2015, a Justiça condenou Maycon Douglas a 13 anos e 4 meses de prisão, enquanto a pena de Wesler foi menor, 12 anos e três meses de prisão. Inicialmente a sentença foi confirmada pelo Tribunal de Justiça (em fevereiro de 2016), mas em 19 de setembro do ano passado, com um embargo de infringência, conseguiram reduzir as penas: a de Maycon para 10 anos e a de Wesler, para 9 anos, com que lhes garantiu progressão da pena para o regime semiaberto.

Wesler responde a um segundo processo, este por tentativa de homicídio, em março de 2015, quando tentou matar a facadas Maycon Douglas de Souza com quem se reconciliou e dois meses depois e juntou para invadir a casa e quase matar o morador, Jucimar Ajala.